PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Delegado Saraiva ironiza diretor-geral da PF por negar politização do órgão

Alexandre Saraiva e Paulo Maiurino - Reprodução de vídeo e divulgação
Alexandre Saraiva e Paulo Maiurino Imagem: Reprodução de vídeo e divulgação
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

07/12/2021 09h37

O delegado Alexandre Saraiva ironizou hoje nas redes sociais a declaração dada pelo diretor-geral da Polícia Ferderal, Paulo Maiurino, de que o órgão não pode ser envolvido em "disputa política, eleitoral ou ideológica". A entrevista de Maiurino foi publicada ontem no jornal O Estado de S. Paulo.

"Afirmação feita por quem passou grande parte da carreira trabalhando com políticos (Alckmin, Witzel). Policial federal que estava dentro da política dizendo que a política não pode estar dentro da PF, parece contraditório?", escreveu Saraiva no Twitter.

O delegado foi exonerado do cargo de superintendente da Polícia Federal no Amazonas após pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) investigação contra o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles por associação ao contrabando de madeira da Amazônia. Ele acabou transferido para a cidade de Volta Redonda (RJ), onde trabalha atualmente.

No mês passado, Saraiva pediu à Corregedoria da PF para investigar o próprio Maiurino por omitir de seu currículo o fato de ter ocupado simultaneamente cinco cargos públicos em 2019, entre eles o de assessor especial do ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. A investigação está em curso.

"Caso verdadeiras as informações, em tese, houve acumulação dos cargos públicos. Assim, em teoria, a situação pode configurar enriquecimento ilícito e improbidade administrativa, especialmente se foi ultrapassado o teto, constitucionalmente previsto", escreveu Saraiva no ofício.