PUBLICIDADE
Topo

Entendendo Bolsonaro

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bolsonaro é produto de chacinas como a do Jacarezinho

Close de Bolsonaro - Evaristo Sá/AFP
Close de Bolsonaro Imagem: Evaristo Sá/AFP
Entendendo Bolsonaro

Esta é uma coluna coletiva que pretende contribuir, sob diversos olhares ? da comunicação à psicanálise, da ciência política à sociologia, do direito à economia ?, para explicar o fenômeno da nova política. O "Entendendo Bolsonaro" do título indica um referencial, mas não restringe o escopo analítico. Toda semana, pesquisadoras e pesquisadores serão convidados a trazer suas reflexões. O compromisso é com um conteúdo acadêmico traduzido para o público amplo, num tom sereno que favoreça o debate de ideias. Convidamos você a nos acompanhar e a interagir conosco.

Colunista do UOL

07/05/2021 18h55

* Raphael Tsavkko Garcia

Chacina, massacre, extermínio. O episódio do Jacarezinho tem vários nomes e um só culpado, ou melhor, culpada: uma sociedade que criminaliza a pobreza, que se recusa a rever seu passado, a desmilitarizar e humanizar sua polícia, a exercer seu controle sobre os agentes de segurança, a legalizar as drogas e, enfim, a enxergar o outro — especialmente o vulnerável — como indivíduo detentor de direitos.

Nas redes, figura a batalha de sempre: de um lado, defensores dos direitos humanos lamentando e repudiando a chacina, do outro os que aplaudem a morte de 25 "bandidos" — como assegurado pelo vice-presidente Mourão. Uma batalha desigual em que, infelizmente, os direitos humanos constantemente saem derrotados.

É possível que parte dos 25 chacinados fossem realmente criminosos, mas isso pouco importa. Execuções sumárias em meio a uma ação ilegal (o STF proibiu tais ações durante a pandemia) e como vingança pela morte de um policial são, em si, inaceitáveis e além de quaisquer justificativas.

Um criminoso deve ser preso, julgado e então condenado - jamais executado, eliminado. Fala-se muito em "guerra", mas não há espaço para uma lógica de guerra do Estado brasileiro contra seus cidadãos, estejam eles cometendo crimes ou não.

E essa mesma sociedade dividida elegeu Bolsonaro que, curiosamente, esteve no dia anterior no Palácio das Laranjeiras com o governador Claudio Castro. Era o ex-governador Witzel quem celebrava o "tiro na cabecinha", mas seu vice-tornado-governador parece não ser muito diferente.

Witzel, é bom lembrar, foi eleito exatamente por seu discurso violento de confrontação e de "guerra". Como Bolsonaro.

A visita do presidente pode ter sido uma mera coincidência, rendeu notas de rodapé em sites diversos, mas os seus motivos estão longe de serem coincidência. A lógica que move parte importante da sociedade, a polícia e o poder público — que deveria ter o dever de proteger, mas que no fim age por vingança — é a mesma.

O que aconteceu no Jacarezinho é o que podemos chamar de "business as usual". Trata-se do modus operandi padrão das forças de segurança no Rio de Janeiro e que encontra eco (e aplausos) em diversos estratos sociais — parte importante deles que elegeu Bolsonaro.

Claro, não podemos esquecer que foi a então presidente Dilma que colocou o Exército em favelas, que o seu partido, o PT, apoiou de maneira entusiasmada as horríveis UPPs (e pouco fez enquanto parte de sucessivos governos do Rio de Janeiro para solucionar de fato o problema do tráfico de drogas, das milícias e dos extermínios).

Mas essas tentativas de aceno a parcelas violentas da sociedade não deram tantos frutos ao partido quanto os petistas gostariam. É Bolsonaro quem melhor encarna a figura do presidente durão que não recua diante de "bandidos" e que mata quando "necessário".

A família Bolsonaro foi rápida em atacar quem repudiou a chacina. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) atacou Marcelo Freixo, também deputado federal (PSOL-RJ), enquanto seus irmãos Flávio e Carlos lamentaram a morte do policial na ação. Não são poucas as vozes que comentam que a operação policial no Jacarezinho beneficia diretamente as milícias — e a essa altura já são mais do que evidentes os elementos que aproximam os interesses desses ao da família do presidente.

O que aconteceu no Jacarezinho não é exatamente resultado das ações e discursos dos Bolsonaro, simplesmente porque ações violentas deste tipo partindo da polícia são comuns. O que podemos dizer com clareza, entretanto, é que Bolsonaro é resultado de Jacarezinhos, ele é a representação da chacina, do massacre, do extermínio. A ação policial, o seu consequente aplauso e a existência de Bolsonaro enquanto líder máximo da nação são parte do mesmo fenômeno social.

Inexiste diferença substancial entre bater palmas para a chacina e defender, de maneira consciente, cloroquina, "tratamento precoce" ou que a pandemia "não passa de uma gripezinha". São faces de um mesmo negacionismo, de um sentimento de potência justiceira que se manifesta em desejo de eliminação do outro. "Bandido bom é bandido morto", eis o grito daquele que nega seus próprios pecados, que repudia o fato de muitas vezes ser igual ao que tanto detesta. É o ódio colocado no espelho.

Em meio a tamanho caos, é difícil até mesmo superar a dor e propor alternativas. Uma delas seria a legalização das drogas — que não apenas geraria bilhões para os cofres públicos, como também renda para milhares ou milhões de pessoas. Uma quantia absurda de dinheiro que, como lembrou o ativista Raull Santiago, é usada para fazer chacina e destruição.

A família Bolsonaro é menos culpada pela chacina do Jacarezinho — como muitos tuitaram e postaram em redes sociais em justificada revolta — do que resultado dela. Resultado visível de um processo constante e histórico de desumanização e chacinas, de uma tremenda divisão de classes em que o andar de baixo tem sua humanidade negada e apagada.

No fim, estamos falando de um processo de retroalimentação em que o ódio é o combustível e o resultado é o sangue correndo por vielas estreitas e íngremes das favelas e o sufocamento nas camas de hospital por todo o país com um presidente que não apenas aplaude como é cúmplice e muitas vezes também autor da barbárie.

* Raphael Tsavkko Garcia é jornalista e doutor em direitos humanos pela Universidade de Deusto. Contribuiu para veículos como Foreign Policy, Undark, The Washington Post, Deutsche Welle, entre outros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL