PUBLICIDADE
Topo

Heleno diz desconhecer "Abin Paralela" no governo citada por Joice

10,jul.2019 - General Augusto Heleno, chefe do GSI, durante audiência na Câmara dos Deputados - FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
10,jul.2019 - General Augusto Heleno, chefe do GSI, durante audiência na Câmara dos Deputados Imagem: FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Constança Rezende

É colunista do UOL em Brasília. Passou pelas redações do Estadão no Rio de Janeiro, O DIA e Jornal do Commercio.

Colunista do UOL

19/02/2020 22h04

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência, Augusto Heleno, disse não ter conhecimento sobre a criação de uma Abin (Agência Brasileira de Inteligência) paralela que funcionaria no governo.

A resposta foi enviada, nesta quarta-feira, à CPMI das Fake News no Congresso. O pedido de informação havia sido feito pelo deputado Rui Falcão (PT-SP), após a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) dizer, em depoimento à comissão, que o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) sugeriu a criação do órgão.

Joice contou que o setor funcionaria como um órgão clandestino, nos moldes da Abin, que incluiria a instalação de grampos telefônicos. Também afirmou que o ex-ministro da secretaria-geral da República, Gustavo Bebianno, sabia da ideia de Carlos e teria discordado.

Rui Falcão perguntou ao gabinete de segurança institucional do governo se já esteve em discussão a criação de tal órgão e se Carlos Bolsonaro e Bebianno participaram da reunião.

"Em resposta aos três questionamentos colocados, esta pasta não tem conhecimento de tal discussão", respondeu Heleno.

Joice chegou a sugerir que Bebianno, ex-aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), fosse depor na CPMI para falar mais sobre o assunto.