PUBLICIDADE
Topo

Moraes determinou que prisão de Sara Winter fosse com "máxima discrição"

Constança Rezende

É colunista do UOL em Brasília. Passou pelas redações do Estadão no Rio de Janeiro, O DIA e Jornal do Commercio.

Colunista do UOL

15/06/2020 11h59

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, determinou que o mandado de prisão contra Sara Winter, principal porta-voz do grupo bolsonarista autodenominado "300 do Brasil", fosse cumprido pela Polícia Federal com "máxima discrição".

No documento que pede a prisão de Sara, obtido pelo UOL, Moraes também determina o cumprimento da ordem deve ocorrer com "a menor ostensividade, havendo auxílio de força policial somente em caso de extrema necessidade".

Sara foi presa na manhã desta segunda-feira, 15, após pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República), no inquérito que apura manifestações de rua antidemocráticas.

Os pedidos de prisão de Sara e de mais cinco integrantes do grupo apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foram apresentados na última sexta-feira, 12, e são temporários, ou seja, têm duração de cinco dias.

Apoiadores do movimento já organizam manifestações pela libertação do grupo, que é investigado por organizar e captar recursos financeiros para ações que se enquadram na Lei de Segurança Nacional, que define crimes contra a ordem política e social.