PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


PSOL denuncia pronunciamento de Bolsonaro à OMS e ONU

Deputada Fernanda Melchionna (PSOL) - Reprodução/ Facebook
Deputada Fernanda Melchionna (PSOL) Imagem: Reprodução/ Facebook
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

25/03/2020 12h56

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados denunciou a declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre o coronavírus às Nações Unidas e à Organização Mundial da Saúde. Na noite de terça-feira, presidente surpreendeu inclusive aliados ao adotar um tom contrário às medidas recomendadas pela agência mundial de saúde e até mesmo por entidades brasileiras.

O grupo de deputados já havia levado a queixa contra o governo às duas entidades há cerca de dez dias. Agora, a nova denúncia deve ser anexada à queixa inicial.

Em uma carta enviada ao diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e ao Relator Especial da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o direito a saúde, Dainius Puras, os parlamentares pede ajuda internacional para cobrar respostas do governo brasileiro e que a atitude do presidente seja desautorizada publicamente.

O texto é assinado por deputadas como Fernanda Melchionna, Luiza Erundina, Glauber Braga, David Miranda, Ivan Valente e Marcelo Freixo.

"Escrevemos na semana passada a relatar algumas das graves ações do Sr. Jair Bolsonaro contra a prevenção e controle do novo coronavírus", disseram.

"Infelizmente, desde então, a situação só se agravou. Como sabem, desde a entrega do nosso relatório em 16 de março, os casos confirmados de Covid-19 no Brasil saltaram de 234 para mais de 2.200, com 46 mortes", indicaram.

"Enquanto governadores e autoridades locais estão implementando medidas para impedir a disseminação do vírus, o Sr. Bolsonaro decidiu atacá-los, argumentando que eles prejudicariam a economia. Ontem, em discurso transmitido nacionalmente, o presidente do Brasil foi contra as recomendações das autoridades sanitárias internacionais e nacionais e atacou as medidas de distanciamento social e quarentena", apontaram.

Uma cópia do discurso original em português e uma tradução em inglês foi submetida a Tedros e ao relator da ONU.

"No seu discurso de ontem, o Sr. Bolsonaro apelou literalmente à população para voltar às suas vidas normais em prol da economia e questionou a gravidade da pandemia do coronavírus, sugerindo que o isolamento deveria acontecer apenas para as pessoas mais velhas. Ele também usou o seu discurso para acusar, mais uma vez, a imprensa brasileira e as autoridades locais de disseminar o pavor e a histeria", indicaram.

"É incerto porque o Sr. Bolsonaro está desafiando a ciência, as autoridades sanitárias e toda a comunidade internacional desta forma. No entanto, é certo que a forma como ele quer conduzir o país através desta pandemia ameaça milhões de vidas brasileiras e o esforço internacional para deter este vírus", alertaram.

Os deputados querem que a OMS e o relator da ONU exijam "explicações da Missão Permanente do Brasil junto à ONU em Genebra e do Ministério da Saúde do Brasil", e que desaprovem publicamente as ações e declarações do presidente.

Na queixa original, o grupo estimou que o chefe-de-estado violou suas obrigações de proteger a população ao incentivar as manifestações no dia 15 de março e de ter, pessoalmente, participado de uma delas.

Jamil Chade