PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Bolsonaro é responsável por "tragédia humanitária", dizem entidades na ONU

19.fev.2021 - Sem máscara, presidente Jair Bolsonaro causa aglomeração em Campina Grande (PB) - Alan Santos/PR
19.fev.2021 - Sem máscara, presidente Jair Bolsonaro causa aglomeração em Campina Grande (PB) Imagem: Alan Santos/PR
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

15/03/2021 04h18

Em meio à pressão por mudanças em sua gestão da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro é alvo de ataques no Conselho de Direitos Humanos da ONU. A iniciativa é da Comissão Arns, em coordenação com a entidade Conectas Direitos Humanos.

Em discurso realizado pelas entidades nesta segunda-feira, as organizações irão condenar os rumos da saúde e economia e deboche do presidente sobre dor das famílias, no momento em que o país é o epicentro da pandemia no mundo e soma mais casos que nos EUA nos últimos 15 dias.

"A situação do Brasil é desesperadora", definiu a representante da Comissão Arns, Maria Hermínia Tavares de Almeida, professora titular aposentada de Ciência Política na Universidade de São Paulo (USP), ex-presidente da Associação Brasileira de Ciência Política e da Latin American Studies Association.

"Viemos aqui hoje para criticar as atitudes recorrentes do presidente Jair Bolsonaro sobre a pandemia", disse a representante.

"Ele desdenha das recomendações dos cientistas; ele tem, repetidamente, semeado descrédito em todas as medidas de proteção - como o uso de máscaras e distanciamento social; promoveu o uso de drogas ineficazes; paralisou a capacidade de coordenação da autoridade federal de Saúde; descartou a importância das vacinas; riu dos temores e lágrimas das famílias e disse aos brasileiros para parar 'de frescura e mimimi'", apontou.

As entidades ainda lembraram que as medidas econômicas e sanitárias em vigor no país ocorreram por determinação dos poderes legislativo e judiciário federal, bem como de governadores e prefeitos. "Todas as medidas econômicas e sanitárias atualmente em vigor devem-se a iniciativas do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal, dos governadores e prefeitos", disse.

"É por isso que estamos aqui, hoje, para chamar a atenção deste Conselho e apontar a responsabilidade do Presidente Bolsonaro em promover, por palavras e atos, uma devastadora tragédia humanitária, social e econômica no Brasil", afirmou a representante da Comissão Arns.

O grupo ainda destacou como a covid-19 está causando um "enorme impacto em perdas de vidas e dificuldades econômicas". "A doença atingiu desproporcionalmente a população negra e mais pobre, as comunidades indígenas e tradicionais. Viemos aqui hoje para denunciar as atitudes recorrentes do presidente Jair Bolsonaro em relação à pandemia", completou a acadêmica.

Ao longo das últimas duas semanas, o Brasil tem sido alvo de uma enxurrada de denúncias na ONU, com indígenas, grupos LGBT, movimento negro, ativistas, ambientalistas e outros apontando para a crise no país diante da recusa do governo em agir diante da pandemia.

Do lado do Itamaraty, a ordem é a de apresentar em cada discurso as ações do governo, rejeitar qualquer tipo de responsabilização e omitir qualquer iniciativa tomada por governadores, como no caso da vacina.

Na abertura da reunião da ONU, ainda em fevereiro, a ministra da Família, Mulheres e Direitos Humanos, Damares Alves, chegou a dizer que o governo estava "garantindo" a vacina para a população de risco.