PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Crise de desemprego no Brasil em 2021 será mais profunda que média mundial

Desemprego, pessoas fazem fila por vaga de emprego - iStock
Desemprego, pessoas fazem fila por vaga de emprego Imagem: iStock
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

27/10/2021 07h00

Resumo da notícia

  • País terminará ano com o equivalente a 4,3 milhões de postos de trabalho a menos
  • Para OIT, desemprego no mundo em 2021 será pior que as estimativas iniciais

A perda de horas de trabalho em 2021 por causa da pandemia será significativamente maior do que o estimado anteriormente. Em dados publicados nesta quarta-feira, às vésperas da cúpula do G-20 em Roma, a Organização Internacional do Trabalho revela que a economia mundial vive uma recuperação a duas velocidades, diante da falta de vacinas nos países pobres.

No Brasil, a OIT estima que serão perdidos o equivalente a 4,2 milhões de postos de trabalho, contra uma destruição de 11,8 milhões em 2020.

A projeção é de que as horas de trabalho no mundo em 2021 estará 4,3% abaixo dos níveis pré- pandêmicos (o quarto trimestre de 2019), o equivalente a 125 milhões de empregos em tempo integral. "Isso representa uma revisão dramática da projeção de junho da OIT de 3,5% ou 100 milhões de empregos em tempo integral", explicou a entidade.

No Brasil, em 2021, as horas de trabalho estarão 5,6% abaixo dos níveis prévios à pandemia e numa situação pior que a média mundial.

Sem apoio financeiro, a OIT estima que o mundo verá uma disparidade nas tendências de recuperação do emprego entre países desenvolvidos e em desenvolvimento.

No terceiro trimestre de 2021, o total de horas trabalhadas nos países de alta renda foi 3,6% menor do que no quarto trimestre de 2019. Em contraste, a diferença nos países de baixa renda era de 5,7% e nos países de renda média baixa, de 7,3%.

Europa e a Ásia Central experimentaram a menor perda de horas trabalhadas, em comparação com os níveis pré-pandêmicos (2,5%). Já as Américas apresentaram quedas de 5,4%.

"Essa grande divergência é em grande parte motivada pelas grandes diferenças no lançamento de vacinas e pacotes de estímulo fiscal", alerta.

Para a OIT, vacina gera postos de trabalho. "As estimativas indicam que para cada 14 pessoas totalmente vacinadas no segundo trimestre de 2021, um emprego equivalente em tempo integral foi adicionado ao mercado de trabalho global. Isto impulsionou substancialmente a recuperação", diz.

Sem vacinas, a OIT estima que as perdas em horas trabalhadas teriam sido de 6% no segundo trimestre de 2021, ao invés dos 4,8% efetivamente registrados.

Mas, com uma profunda desigualdade na distribuição de vacinas, o número global esconde amplas disparidades. O avanço foi insignificante nos países de renda média baixa e quase zero nos países de baixa renda.

"Estes desequilíbrios poderiam ser enfrentados rápida e efetivamente através de uma maior solidariedade global no que diz respeito às vacinas", defende.

A OIT estima que se os países de baixa renda tivessem um acesso mais equitativo às vacinas, a recuperação do horário de trabalho alcançaria as economias mais ricas em pouco mais de um trimestre.

Além de vacinas, pacotes financeiros

Para a OIT, os pacotes de estímulo fiscal continuaram a ser o outro fator nas trajetórias de recuperação. No entanto, a lacuna do estímulo fiscal permanece em grande parte sem resposta, com cerca de 86% das medidas de estímulo global concentradas em países de alta renda.

"As estimativas mostram que, em média, um aumento do estímulo fiscal de 1% do PIB anual aumentou as horas de trabalho anuais em 0,3 pontos percentuais em relação ao último trimestre de 2019", diz.

Diferença de produtividade e empresas

A OIT ainda aponta como a pandemia também impactou a produtividade, os trabalhadores e as empresas de formas que levaram a maiores disparidades entre países ricos e pobres.

"A diferença de produtividade entre os países avançados e os países em desenvolvimento deverá aumentar de 17,5: 1 para 18:1 em termos reais, a maior registrada desde 2005", constata.

"A atual trajetória dos mercados de trabalho é de uma recuperação estagnada, com grandes riscos de queda e uma grande divergência entre economias desenvolvidas e em desenvolvimento" disse o diretor-geral da OIT, Guy Ryder. "Dramaticamente, a distribuição desigual de vacinas e as capacidades fiscais estão impulsionando estas tendências e ambas precisam ser abordadas urgentemente", completou.