PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Jamil Chade

Carta a Biden: de que lado o sr. estará ao anoitecer (de novo) no Brasil?

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, discursa em Washington - Jonathan Ernst/Reuters
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, discursa em Washington Imagem: Jonathan Ernst/Reuters
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

25/05/2022 04h00

Esta é parte da versão online da edição desta terça-feira (24) da newsletter de Jamil Chade. Na newsletter completa, apenas para assinantes, o colunista escreve sobre como governos estrangeiros e organizações internacionais já consideram cautela na aproximação com o Planalto, a sabatina que Bolsonaro poderá enfrentar na ONU antes do fim do mandato, e apoio do governo brasileiro à expansão dos Brics. Para receber o boletim e ter acesso ao conteúdo completo, clique aqui.

Senhor Biden,

Existem momentos na vida de uma sociedade que definem o destino de nossos sonhos. No Brasil de 2022, vivemos este momento. A escolha não é difícil. Mas, nesta encruzilhada, corremos o sério risco de que a democracia seja asfixiada e volte a ser torturada nos calabouços de um país cuja história se entrelaça com golpes de estado, autogolpes e rupturas espantosas.

Vocês, porém, têm uma oportunidade histórica. Se em 1964 a opção da Casa Branca sob o democrata Lyndon Johnson foi por chancelar um golpe de estado que abriu uma noite escura que durou duas décadas, desta vez vocês poderão seguir um caminho bem diferente.

Redenção? Não. Afinal, como curar as feridas daqueles tantos torturados e daquelas famílias que perderam seus filhos? Como recuperar anos de desilusão e de adiamento do futuro?

O senhor, nesses próximos meses, terá duas opções. A primeira delas é a de ficar ao lado da democracia. E de forma intransigente. Isso significa denunciar o desmonte das instituições, não reconhecer a legalidade de um eventual golpe e nem considerar o governo a ser instaurado como interlocutor legítimo.

Antes que seus generais fiquem entusiasmados, não estamos convidando o senhor a uma invasão para nos salvar. Mas tanto eu como o senhor sabemos que parte do êxito de um golpe vem não apenas das armas, e sim do apoio internacional que o ditador de plantão possa ter.

Quando o senhor venceu as eleições, o mundo democrático se lançou numa corrida para reconhecer os resultados das urnas e, assim, blindá-lo do forte movimento de contestação por parte de seu rival, Donald Trump. Um dos poucos que fez eco ao argumento dos golpistas americanos foi Jair Bolsonaro.

Agora, chegou a vez de a democracia ser testada em outra parte do nosso hemisfério. Ninguém no Brasil tem ilusões sobre o que vocês representam e não caímos na ladainha de que "exportam" a democracia.

Vocês foram os únicos a jogar uma bomba atômica sobre civis, não conseguem superar o profundo racismo instaurado desde 1619, invadiram países, derrubaram governos que não eram simpáticos aos seus interesses, espionaram os telefones de seus aliados e chocaram o mundo com cenas de tortura em prisões secretas. Sim, a lista é longa. E por isso nos preocupamos.

De fato, a segunda opção que está diante do senhor é seguir a coerência histórica dos EUA e, em nome de interesses econômicos e da geopolítica, acomodar o desmonte que vivemos hoje dos direitos humanos e da democracia no Brasil. Isso, senhor Biden, seria recebido como uma chancela por parte do governo de Jair Bolsonaro de que pode seguir com seu projeto de destruição.

Presidente, um eventual êxito por parte daquelas pessoas que tentaram profanar o Capitólio representaria um terremoto político no mundo. Ainda que em outra escala, a eleição brasileira em 2022 também terá um impacto global. O que está em jogo no Brasil não é apenas o destino de 210 milhões de pessoas. Um golpe em meu país consolidará a tendência autocrática no planeta e irá reforçar movimentos que questionam liberdades fundamentais.

Hoje, a democracia vive seu momento mais desafiador desde o final da Guerra Fria. Apenas 6% da população mundial se beneficia de tal sistema de maneira plena. Se o modelo Bolsonaro prosperar, quem poderá parar imitadores de péssima qualidade nos países vizinhos? Se o modelo Bolsonaro vingar, será o seu governo que terá de enfrentar uma região ávida pelo retorno de seu próprio rival, Donald Trump.

Se no início desta carta eu fiz referências ao papel que os EUA tiveram no golpe de 1964, houve também um episódio radicalmente diferente.

Em 1978, seu velho conhecido Jimmy Carter realizou uma viagem ao Brasil e, driblando os militares em meu país, colocou Dom Paulo Evaristo Arns no carro que o levaria no último dia de sua visita ao aeroporto do Galeão. O trajeto de 46 quilômetros foi a ocasião que Arns precisava para fazer denúncias de violações cometidas pelo regime militar, o mesmo aplaudido por Bolsonaro.

Foi uma conversa franca. Arns perguntou a Carter o que ele esperava da Igreja na luta contra a repressão. Seu colega foi explícito em sua crítica, alertando que, em alguns lugares, "a Igreja não fez o que deveria fazer". Segundo ele, os defensores de direitos humanos "sofrem restrições" da Igreja, e não apoio.

Já o cardeal apresentou um memorando com três pontos e que deixava claro que tinha suas sérias reservas à política externa americana. Arns queria demonstrar que o regime militar apenas existiu graças ao apoio americano e indicou que estava na hora então de Washington desfazer o que havia começado.

Ele não se limitaria ao memorando. Outra carta entregue pelo brasileiro a Carter era um apelo secreto assinado por ele, pelo cardeal asiático Stephen Sou Huan Kim e pelo bispo africano Donald Lamont. No documento, os líderes religiosos alertavam que não se silenciariam mais diante da opressão econômica e política vivida por "países inteiros".

Os religiosos ainda criticaram a "tortura institucionalizada" existente "em todo o mundo" e concluíram com um ataque direto aos Estados Unidos. "Não podemos ficar quietos, nem queremos, enquanto o egoísmo de alguns países e grupos impedem a construção de um mundo mais humano, em que cada pessoa pode viver com dignidade", disseram.

Apesar de não ser um consenso, há quem argumente que a insistência de Carter em tratar de direitos humanos contribuiu em levar o Brasil a uma outra direção nos anos seguintes. O que não se pode negar é que, ao colocar Arns para dentro de seu carro e aceitar o diálogo, seu colega demonstrou caráter.

Dom Paulo Evaristo Arns - Vidal Cavalcante/Folhapress - Vidal Cavalcante/Folhapress
Ao meio, Dom Paulo Evaristo Arns, figura central em diálogo com os EUA no combate à última ditadura no Brasil
Imagem: Vidal Cavalcante/Folhapress

Senhor presidente,

Um outro velho amigo do senhor e que eu também admiro muito, John Lewis, disse que a democracia não é um estado. É um ato. Lembre-se disso, portanto, quando for avaliar as opções que terá diante do Brasil.

Qualquer arranjo hipócrita que o senhor sugerir às intenções nefastas do governo de Jair Bolsonaro destruirá o pouco que resta de nossos sonhos. No fundo, o senhor sequer tem opção se quiser de fato manter suas credenciais de democrata.

Minha geração cresceu com a falsa premissa de que a democracia estava em nossa certidão de nascimento. Não era verdade. No fundo, nem começamos a construi-la. Isso apenas virá quando deixarmos de ser colonizados, quando houver justiça social, quando a população negra ocupar seu devido espaço. Mas para que o sonho prospere, evitar um golpe de estado no Brasil neste momento será fundamental.

Em 2022, vocês têm uma oportunidade histórica. Não a desperdicem. Pelo amor aos meus filhos, pelo amor aos teus netos.

Saudações democráticas,

Jamil

***************
LEIA MAIS DESTAQUES NA NEWSLETTER