PUBLICIDADE
Topo

O sindicalismo policial é impulsionado por anistias

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

20/02/2020 20h23

O sindicalismo policial voltou a se assanhar no Brasil. O pedaço mais visível desse assanhamento é o levante da Polícia Militar do Ceará. No pedaço ainda submerso do problema há corporações armadas ameaçando inaugurar novas rebeliões em outros estados. Vive-se novamente um problema que se tornou cíclico no Brasil. Na origem dessa encrenca está uma anomalia chamada "anistia".

Num intervalo de cinco anos, entre 2011 e 2015, o Congresso Nacional aprovou duas grandes anistias para bombeiros e policiais que realizaram mais de três dezenas de greves ilegais e motins em 22 Estados e no Distrito Federal. O flagelo da anistia tornou-se o principal estímulo às paralisações das polícias.

Diz-se que a PM do Ceará está em greve. Bobagem. O que há é um motim. Afirma-se que o senador Cid Gomes praticou um ato político. Não houve política no ato do senador. O que houve foi um gesto de truculência. Policial que troca a farda pelo capuz equipara-se a bandido. Senador que substitui o argumento pela retroescavadeira iguala-se aos velhos coronéis arcaicos da política brasileira.

Quando foram votadas no Congresso as anistias para amotinados, policiais cearenses estavam entre os beneficiários e parlamentares do atual partido de Cid Gomes, o PDT, votaram a favor do perdão. Agora, os PMs do Ceará ocupam quarteis de arma na mão e capuz na cabeça, desafiando a Constituição e decisões do Supremo Tribunal Federal, porque sabem que mais tarde serão anistiados.

A repetição dessa engrenagem, além de envergonhar o país, onera o Tesouro, porque quando o caldo entorna os estados sempre chamam a cavalaria da Força Nacional de Segurança e do Exército. Quem paga a conta é você.

Josias de Souza