PUBLICIDADE
Topo

Planalto vira puxadinho das redes sociais do capitão

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

28/02/2020 20h34

Há dois Bolsonaros na praça. O primeiro personifica a nova política, combate as notícias falsas e cultua um versículo do Evangelho de João: "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará". O segundo é muito parecido com o outro, só que mente um pouco.

Na sua penúltima transmissão ao vivo pela internet, na noite de quinta-feira, o presidente mentiu sobre os vídeos que trombeteou dias atrás pelo WhatsApp para colocar o asfalto contra o Congresso. Ele disse que os vídeos que divulgou referiam-se a uma convocação de 2015.

O problema é que as peças exibem a facada da campanha de 2018 e a posse de 1º de janeiro de 2019.

Bolsonaro intercalou durante a transmissão uma irritação ensaiada com a imprensa e uma certa hipocrisia assumida. Coisa de quem sabe que seu enredo, embora não sobreviva a um detector de mentiras, agrada aos devotos que ainda o idolatram a ponto de chamá-lo de mito e integrar a milícia bolsonarista que percorre a internet disposta a tudo, inclusive a atacar com a munição falsa jornalistas que publicam verdades, como Vera Magalhães fez no caso dos vídeos em questão.

O presidente dispõe de porta-voz apenas no papel. Ele preside o país enfeitiçado pela ideia de manter, durante todo o mandato, a mesma comunicação direta que o conectou com seus eleitores. Bolsonaro transformou o Planalto num puxadinho de suas redes sociais. Macaqueia Donald Trump, que fez o mesmo com a Casa Branca.

Nenhum problema em empurrar a comunicação oficial do presidente para a plataforma virtual. Mas isso não dá a Bolsonaro o direito de agir como um blogueirinho irresponsável, que imagina dispor de salvo-conduto para mentir.

Pesquisa divulgada pelo Datafolha em dezembro revelou que a maioria do eleitorado (80%) ouve Bolsonaro com a pulga atrás da orelha —43% nunca confiam naquilo que o presidente declara, 37% confiam só de vez em quando.

Apenas uma minoria (19%) confia integralmente no que Bolsonaro diz. Ou seja: o presidente acha que é uma coisa e vai se tornando outra coisa bem distinta. Bolsonaro talvez devesse observar pelo menos um velho ensinamento da política: jamais diga uma mentira que não possa provar.

Josias de Souza