PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Suprapartidário, apoio a Kassio junta Tom & Jerry

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

19/10/2020 05h10

Maciço e suprapartidário, o apoio obtido no Senado à indicação de Kassio Marques para o Supremo ganhou uma aparência de "acordão". Nele, juntaram-se Davi Alcolumbre e Renan Calheiros, Fernando Collor e Cid Gomes, Tom & Jerry.

À primeira vista, são personagens conflitantes. Mas têm uma área de interesse comum: o incômodo com o lavajatismo. Desejam conter a responsabilização dos políticos de todos os partidos metidos em roubalheiras.

Chefe de uma organização familiar com uma penca de pendências judiciais, Jair Bolsonaro realizou com a escolha de Kassio Marques o milagre da despolarização. Bolsonaristas do centrão aliaram-se a oposicionistas do PT e PDT.

A sabatina de Kassio na Comissão de Constituição e Justiça do Senado está marcada para quarta-feira. Mas o escolhido de Bolsonaro obteve os votos de que precisa antes mesmo de se submeter à arguição dos senadores.

Os títulos acadêmicos europeus de Kassio não param em pé. Sua dissertação de mestrado inclui a cópia de trechos de texto escrito por um amigo. Se disputasse vaga no departamento jurídico de uma empresa privada talvez levasse bomba.

No Senado, o relator da indicação, senador Eduardo Braga, avaliou que as inconsistências curriculares pesariam "muito pouco no exame dos requisitos constitucionais" exigidos para o emprego vitalício de ministro do Supremo.

Braga não é um relator qualquer. Corre contra ele no Supremo inquérito em que é acusado de receber ilegalmente R$ 6 milhões da JBS. Já havia relatado a indicação de Augusto Aras para a chefia da Procuradoria-Geral da República.

Num ambiente em que investigados escolhem o procurador que pode denunciá-los e o magistrado que irá julgá-los, basta se conservar agachado para ser considerado um senador de grande altivez.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL