PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Bolsonaro demoniza governadores como estratégia para camuflar suas culpas

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

02/03/2021 04h24

De todos os setores do governo, o único que funciona 100% é o departamento de crises. Não há improviso no mais recente destrambelhamento sanitário de Jair Bolsonaro. O novo surto anticientífico do presidente é resultado de muito cálculo político. Baseia-se na tese bolsonarista segundo a qual a melhor maneira de resolver uma crise —a escassez de vacinas contra a Covid— é produzindo outra crise— uma batalha da federação.

Bolsonaro vai à carótida dos governadores escorado numa regra da propaganda. Baseia-se na personalização. Com uma cara bem definida, qualquer coisa pode ser vendida. Mestre da maledicência, Bolsonaro aprendeu em três décadas de vivência política que o mal, como abstração, é difícil de ser enxergado. Mas basta dar ao mal um tridente e um par de chifres e você passa a ter um inimigo nítido. O demônio de Bolsonaro são os governadores.

Num movimento que vinha sendo ensaiado desde o ano passado, Bolsonaro encontrou nos governadores um diabo para o qual transferir as suas culpas. Há muitos problemas nos estados. Mas o presidente tenta encobrir o apagão do programa nacional de vacinação criticando medidas sanitárias que são tão impopulares quanto inevitáveis: as restrições à mobilidade das pessoas e ao funcionamento do comércio. O bumbo de Bolsonaro soa num instante em que os brasileiros começam a morrer não de Covid, mas de falta de vacinas.

Por mais diabólico que seja o diversionismo do presidente, a corrida pelas vacinas expõe os pés de barro da gestão Bolzuello, cruza do diversionismo do capitão Bolsonaro com o ilusionismo do general Pazuello. Numa evidência de que o Ministério da Saúde tornou-se uma espécie de Waterloo da Esplanada, correm atrás de vacinas uma caravana de governadores, um consórcio de prefeitos e um agrupamento de empresários. Todos já se deram conta de que não há normalidade sem vacinação em massa.

Apenas 3% da população brasileira recebeu a primeira dose de uma vacina. infelizmente, o general Eduardo Pazuello, suposto ministro da Saúde, compensa a escassez de imunizantes com uma oferta de empulhações. Tendo fracassado como especialista em logística, o general tenta a sorte no campo da quiromancia. Promete distribuir mais de 450 milhões de doses de vacinas até o final do ano. Coisa suficiente para vacinar toda a população.

Crise é uma coisa. Opção pelo engano é outra. Quem quiser se vacinar contra embromações deve prestar atenção nos detalhes. O problema não é a incapacidade de Pazuello de fornecer previsões confiáveis. A questão é que o ministro já não consegue prever nem o passado. Investigado num inquérito sobre a demora no socorro federal aos pacientes que morreram por falta de oxigênio no Amazonas, o ministro da Saúde modificou o passado três vezes.

Pazuello informou ao Supremo Tribunal Federal que foi alertado para a iminente falta de oxigênio nos hospitais de Manaus em 8 de janeiro. Reafirmou a data em entrevista coletiva. Interrogado pela Polícia Federal, o general disse que tomou conhecimento do problema apenas em 10 de janeiro.

Entre 14 e 15 de janeiro, morreram na capital amazonense três dezenas de pessoas por falta de oxigênio. E Pazuello ajustou o calendário uma terceira vez. Mandou dizer ao Supremo que soube da encrenca no dia 17 de janeiro. O general parece confundir amnésia com consciência limpa. Se as previsões de Pazuello sobre o futuro da vacinação no Brasil forem tão volúveis quanto a sua memória sobre o passado recentíssimo, Bolsonaro terá dificuldades para terceirizar culpas. Acabará enxergando no espelho a imagem de um culpado.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL