PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Bolsonaro mentiu sobre a posição de Barroso acerca de estupro de vulnerável

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

10/07/2021 19h46

Admirador dos Estados Unidos, Bolsonaro deveria buscar inspiração em Franklin Delano Roosevelt (1882-1945). O ex-presidente americano dizia que a Presidência oferece àquele que a ocupa uma tribuna vitaminada. Chamava essa tribuna de bully pulpit —púlpito formidável, numa tradução livre.

De um bom presidente, ensinou Roosevelt, espera-se que aproveite o palanque privilegiado para irradiar confiança e bons exemplos. Neste sábado, Bolsonaro voltou a fazer o oposto, em Porto Alegre.

Cavalgando uma mentira, declarou que o ministro Luís Roberto Barroso, do STF e do TSE, defende a redução da maioridade para estupro de vulneráveis. Partindo dessa inverdade, evoluiu para a injúria e a difamação: "Ou seja, é pedofilia o que ele defende."

Na verdade, em julgamento ocorrido em 2017, Barroso fez o contrário do que disse Bolsonaro. Discutia-se na Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal a suspensão de uma ação penal contra jovem de 18 anos acusado de manter relações sexuais com uma menina de 13 anos. Barroso votou a favor da continuidade da ação aberta contra o rapaz. Divergiu de Marco Aurélio Mello, que concedera liminar suspendendo o processo sob o argumento de que a relação havia sido consentida.

O voto de Barroso prevaleceu. Deu-se em março de 2017, no julgamento do habeas corpus 122.945. Coube a Barroso redigir o acórdão para o prosseguimento do processo. A íntegra pode ser lida aqui.

Bolsonaro está irritado com Barroso por duas razões. Foi ele quem determinou ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que desengavetasse o pedido de instalação da CPI da Covid.

Como presidente do TSE, Barroso posicionou-se contra a proposta que institui o voto impresso, uma obsessão de Bolsonaro. Nesse ponto, está acompanhado de outros dois magistrados: Edson Fachin e Alexandre de Moraes, também levados à alça de mira pelo capitão.

Políticos, como se sabe, mentem. Mas Bolsonaro, com mais de 30 anos de política, ainda não aprendeu um ensinamento básico: jamais diga uma mentira que não possa provar.