PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Ameaça de greve de servidores é mais uma bagunça organizada por Bolsonaro

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

19/01/2022 09h56

Num movimento puxado pela elite do funcionalismo público, cerca de 40 categorias de servidores levam os lábios ao trombone por reajustes salariais de até 28%. Ignoradas, as corporações ameaçam fazer greve em fevereiro. Seria um erro chamar essa encrenca de uma reivindicação salarial. O nome correto do fenômeno é bagunça.

No instante em que Bolsonaro acenou com a possibilidade de conceder reajustes a todo o funcionalismo, não havia ebulição sindical no serviço público. Os servidores estão sem aumentos há mais de três anos. Mas mantiveram os seus empregos e não sofreram redução nominal dos contracheques durante a pandemia. Em comparação com os trabalhadores do setor privado são privilegiados.

O presidente da República acendeu o pavio da bagunça quando molhou o paletó para incluir no Orçamento da União quase R$ 2 bilhões destinados a engordar os contracheques de policiais federais. Neste ano de 2022, a vida dos brasileiros é ameaçada pelo risco de recessão, pelo desemprego e pela inflação. Mas Bolsonaro não se considera responsável por nenhuma dessas ruínas. Sempre haverá incautos dispostos a lhe dar crédito. Mas é impossível esconder a identidade de uma bagunça. No caso do funcionalismo ela se chama Jair Bolsonaro.

O investimento público em 2022 será o menor da história. Mas Bolsonaro está prestes a sancionar um orçamento que destina R$ 37 bilhões para emendas de parlamentares, dos quais R$ 16,5 bilhões escorrerão por um duto que oculta os nomes dos donos do gasto.

Discute-se a sério, de resto, a hipótese de restabelecer o valor de R$ 5,7 bilhões fixado inicialmente para financiar a campanha eleitoral.

Diante de um orçamento tão equivocado, a reserva de quase R$ 2 bilhões para o aumento dos policiais federais, o mote que inspira a ameaça de greve, é apenas mais uma dessas bagunças organizadas por Bolsonaro para conturbar o país que ele deveria governar.