PUBLICIDADE
Topo

Leonardo Sakamoto

Sem vacina, sem auxílio, desemprego e inflação: a bucha do pobre em 2021

Fila para receber o auxílio emergencial, que termina neste mês de dezembro de 2020 - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Fila para receber o auxílio emergencial, que termina neste mês de dezembro de 2020 Imagem: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), ?Escravidão Contemporânea? (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

28/12/2020 10h14

Teremos dois países chamados Brasil em 2021: um que vai sorrir aliviado com a retomada de setores da economia e outro que terá que comer menos e se virar nos 30 se quiser sobreviver.

A inflação deve atingir especialmente este segundo grupo, que já não contará com o suporte do auxílio emergencial e não será beneficiado pela geração de postos de trabalho em número suficiente. Soma-se a isso que, devido à demora no processo de vacinação e a ausência de perspectiva para imunizar toda a população, o coronavírus continuará matando especialmente os trabalhadores pobres - que não usam black-tie, nem fazem home office.

Pesquisa Datafolha, divulgada nesta segunda (28), aponta que 72% dos brasileiros têm a expectativa de que a inflação vai aumentar ainda mais no ano que vem. Neste ano, ela castigou mais os pobres - para eles, alimentos têm um peso maior na composição do índice de aumento de preços. O arroz é testemunha disso.

Como registrou Eduardo Cucolo, na Folha de S.Paulo, dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) mostram que famílias com renda menor que R$ 1.650,50/mês tiveram inflação acumulada em 12 meses de 5,8%. Já entre famílias com renda maior que R$ 16.509,66, o indicador está em 2,69%.

E de onde a população vai tirar o dinheiro extra para pagar essa diferença?

Mais de 65 milhões de trabalhadores informais e desempregados que não puderam trabalhar por causa da pandemia conseguiram segurar as pontas com o pagamento do auxílio emergencial. Devem agradecer ao Congresso Nacional, que forçou o aumento do valor do benefício, uma vez que a proposta original do governo Jair Bolsonaro era de apenas R$ 200.

O pagamento acaba agora no final do ano. A recuperação de vagas com carteira assinada tem sido rápida, como previsto, levando o governo a festejar. Contudo, há um exército de trabalhadores informais que estão saindo da quarentena, procurando serviço e não encontram.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Covid, do IBGE, divulgada na quarta (23), mostrou que 14 milhões de brasileiros procuraram trabalhar, mas não conseguiram, uma taxa recorde de 14,2%. São quatro milhões de desempregados a mais do que em maio.

O governo federal nunca teve um programa para fomentar a geração de postos de trabalho de qualidade. Aposta, como sempre, em reformas estruturais, que não necessariamente se traduzem na redução do desemprego no prazo que os seres humanos precisam. E insiste na retirada de proteções trabalhistas como forma de aumentar o número de contratados, repetindo o argumento da Reforma Trabalhista.

Com o fim do auxílio, economistas acreditam que a inflação vá ceder. Até porque as pessoas comprarão menos comida - sim, a inflação nos alimentos durante a pandemia também serve como indicador de que estamos longe de garantir dignidade a todos. E acreditam que, com a volta do crescimento econômico, desempregados serão absorvidos e informais se tornarão formais, paulatinamente.

O problema de cálculos como esse é que o tempo das planilhas é diferente do tempo das pessoas.

Entre uma coisa e outra, há um intervalo em que milhões de brasileiros, sem auxílio emergencial e sem serviço, encontrarão preços mais altos para comida e aluguel - o IGP-M, que serve como referência para o reajuste de aluguel, subiu cerca de 25%. E a vida não pode esperar.

Ainda segundo o Datafolha, 13% consideram o desemprego o pior problema do ano e 8% a crise econômica. Esses itens ficam atrás da saúde (27%), com seus mais de 191 mil mortos por covid-19.

Com um governo federal que tem se mostrado incompetente quanto ao processo de enfrentamento ao vírus e, por conseguinte, de vacinação, é difícil tirar a saúde desse patamar em 2021. Mas a expectativa é de que a insatisfação com o desemprego cresça.

Bolsonaro agiu de forma irresponsável contra as quarentenas porque acreditava que uma alta taxa de desemprego poderia afetar suas chances de reeleição em 2022. O problema é que, ao fazer isso, enfraqueceu o isolamento social, ajudando a prolongar a pandemia por mais tempo - o que aumentou o número de mortos e manteve a economia deprimida além do necessário.

Inflação em alta e desemprego em alta, com covid circulando, armam uma bomba que pode explodir em algum momento do ano que vem. Exatamente no colo dos mais vulneráveis, que garantiram ao presidente um aumento de popularidade na pandemia por conta do auxílio emergencial.

A dúvida é se esse grupo se manterá agradecido a ele por ter conseguido comer bem durante uns meses, terminar o justo puxadinho da casa ou comprar uma sonhada TV com o dinheiro do auxílio ou tudo o que parece sólido se desmanchará no ar com a percepção de que os planos do governo para reduzir o desemprego são da mesma eficiência dos planos para reduzir a covid.