PUBLICIDADE
Topo

Leonardo Sakamoto

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Para cumprir promessa a Biden, Bolsonaro teria que demitir Ricardo Salles

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) - Adriano Machado/Reuters
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) Imagem: Adriano Machado/Reuters
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), ?Escravidão Contemporânea? (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

15/04/2021 09h03

Jair Bolsonaro prometeu a Joe Biden acabar com o desmatamento ilegal no Brasil até 2030. Mais do que isso, afirmou que o país pode avançar na redução da emissão de carbono a fim de mitigar mudanças climáticas. Mais ainda: disse que topa trabalhar com ONGs e com povos indígenas nesse sentido.

Para nós, que conhecemos Bolsonaro, essas promessas são conversa para boi dormir.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pediu 1 bilhão de dólares aos Estados Unidos para reduzir o desmatamento neste ano. O mesmo ministro que acaba de ser acionado no Supremo Tribunal Federal pela Polícia Federal no Amazonas por dificultar a ação da fiscalização ambiental de forma criminosa.

Essas promessas mostram que nosso governo de extrema direita finalmente entendeu como funcionam compromissos ambientais internacionais: você não precisa defender tombar floresta, bradando pelo direito de desmatar, e virando um pária global. Basta contar mentiras de que vai fazer e tirar o corpo fora, como muitos países.

Desculpem o cinismo, mas essa é a razão pela qual o termostato do planeta está na posição "Gratinar os Idiotas Lentamente" e não deve mudar tão cedo.

Para cumprir as promessas, Bolsonaro teria que dar um cavalo de pau na política de terra arrasada que vem adotando desde que sentou a bunda no Palácio do Planalto. Ou seja, deixar de corroer, enfraquecer e deslegitimar as ações de fiscalização ambiental.

Dar, portanto, as costas para os grupos que ajudaram em sua eleição e o apoiam até hoje, como pecuaristas, madeireiros e garimpeiros que atuam de forma ilegal, além da turma da grilagem de terras - que circula bem em Brasília, aliás.

E isso não vai acontecer.

Esses pontos estão em uma carta enviada por JB a JB antes de cúpula com chefes de Estado sobre mudanças climáticas, como relatou Ricardo Della Coletta, na Folha de S.Paulo. "Queremos reafirmar, nesse ato, em inequívoco apoio aos esforços empreendidos por V. Excelência, o nosso compromisso de eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030", disse Bolsonaro. A cartinha foi discutida com o chanceler Carlos França, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Ironicamente, a cúpula está marcada para o dia 22 de abril, quando comemoraremos o aniversário de um ano da "boiada" de Salles.

Naquela data, o ministro acabou por prestar um enorme serviço ao seu país por conta de sua agora antológica participação na não menos antológica reunião ministerial de 22 de abril, quando constatamos as bizarras entranhas do governo.

Ele sugeriu a Jair Bolsonaro aproveitar que a imprensa está preocupada com o combate ao coronavírus para enfraquecer uma série de regras, como as de proteção ambiental e de preservação do patrimônio histórico.

"Nós temos a possibilidade, nesse momento em que a atenção da imprensa tá voltada quase que exclusivamente pro covid (...), de ir passando a boiada e mudando o regramento", afirmou Salles, como pode ser visto no vídeo divulgado, no dia 22 de maio, após decisão do ministro Celso de Mello, do STF. Em outras palavras, aproveitar que o país está preocupado com uma pandemia assassina e passar o trator.

Salles prestou dois favores com suas declarações que vieram a público: tirou a estratégia do governo das sombras e a levou para o centro da pauta nacional e mostrou que ela é real e não "paranoia de ongueiro" - como parte do agronegócio, das mineradoras e dos militares gosta de afirmar.

Tudo o que ele disse não é novidade para organizações e movimentos de defesa dos direitos ambientais, sociais, trabalhistas, culturais, indígenas que estão diuturnamente alertando a sociedade de que o governo Jair Bolsonaro tem se aproveitado do foco da sociedade e da imprensa na tragédia para tentar reduzir o que ele considera entraves ao crescimento. Que, na realidade, são proteções à qualidade de vida no país.

E que o governo mente, mente descaradamente, mente até doer. E, depois, mente mais um pouco, sem corar a bochecha.

Se Joe Biden acreditar nas palavras de Bolsonaro, não será sinal de burrice, mas que seu pragmatismo geopolítico e comercial é tão grande que ele topa ajudar a rifar o futuro das próximas gerações e engolir uma cascata dessa em troca de um 5G.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL