Leonardo Sakamoto

Leonardo Sakamoto

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Meteoro Braskem abre cratera em Maceió em nosso maior desastre urbano

Parte de Maceió será engolida por uma cratera gigantesca no maior desastre urbano que o Brasil viveu. O nome do meteoro responsável se chama Braskem, que, por décadas, ganhou muito dinheiro explorando o sal-gema do subsolo sem se preocupar com as milhares de famílias que moravam acima. A certeza por parte da empresa de que nada aconteceria mostra que isso não é um acidente, mas um projeto.

Há representantes da Braskem, neste momento, em Dubai para a COP28, a conferência do clima das Nações Unidas, mostrando como a empresa é uma das campeãs do futuro sustentável. Irônico, porque não consegue nem sustentar o chão de Maceió no seu lugar.

Mas para quem não se importa com falta de coerência, isso funciona que é uma beleza. Tanto que a empresa petrolífera estatal dos Emirados Árabes quer comprar parte da Braskem em um negócio de R$ 10,3 bilhões.

Projetos como o afundamento de Maceió pela Braskem são cuidadosamente colocados em prática. Não que o objetivo de empresas como ela seja o de destruir a vida em grandes cidades, mas elas simplesmente não se preocupam com os impactos de sua atividade na vida das pessoas.

Ou melhor: se preocupam, mas em lindos vídeos dirigidos por publicitários que acham que estão mudando o mundo para melhor ao reciclar latas de cerveja. Daí, basta ter os amigos políticos nos lugares certos para garantir que, em nome do "desenvolvimento", a empresa não seja incomodada. E agir para desacreditar ativistas ou jornalistas que denunciassem que uma parte de Maceió iria ser tragada pelo inferno.

Há grandes empresas que calculam que o valor pago em indenizações no futuro é bem menor do que aquilo que ganharão desrespeitando as leis ou os estudos e os relatórios de impactos ambientais e tocam o barco. A mesma lógica ocorre na esfera trabalhista, com pessoas superexplorando mão de obra com a certeza de que a multa, se vier, será menor que a grana que ganharam.

Ou alguém acha realmente que o valor pago pela Basf e a Shell à coletividade e aos trabalhadores por conta da contaminação do solo e do lençol freático em Paulínia (SP), entre 1974 e 2002, com substâncias cancerígenas por uma fábrica de agrotóxicos, realmente compensa o estrago feito ao meio ambiente e a milhares de vidas?

Na época do acordo multimilionário acordado na Justiça do Trabalho, a Shell afirmou que não reconhecia a contaminação dos trabalhadores: "A ocorrência de contaminação ambiental não implicou, necessariamente, em exposição à saúde de pessoas". Para a empresa, é possível pular nu em uma piscina com água e não sair molhado.

Visão que ajuda a explicar porque ela e outras do ramo petroquímico produziram grandes desastres urbanos ao longo de anos no Brasil. A ação do Ministério Público Federal, acusando a mesma Shell de poluir o solo e o ar com substâncias nocivas em sua unidade de estocagem de combustíveis na Vila Carioca, zona sul de São Paulo, foi uma das primeiras contra grandes multinacionais no país em 2004.

Continua após a publicidade

Mas para que casos pontuais se tínhamos, algumas dezenas de quilômetros da Vila Carioca, a chaga a céu aberto que era o Vale de Cubatão, na década de 1980? A liberação de gases tóxicos pelas indústrias do polo petroquímico produziu mortos e tornou a região uma das mais poluídas do mundo, segundo as Nações Unidas. Neste caso, um projeto que se apresentava a olhos vistos, ao contrário dos subterrâneos da Braskem.

Outros casos emblemáticos de desastres ambientais urbanos ainda fazem parte do imaginário popular, como o vazamento de césio-137 em Goiânia. Em 1987, dois catadores de lixo reciclável encontraram um aparelho de radioterapia abandonado por uma clínica. Desmontaram para tentar vender as peças e abriram a cápsula de material radioativo, provocando quatro mortes e a contaminação de outras dezenas.

E apesar de terem ocorrido em região rural, as maiores tragédias ambientais da história do Brasil - o rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, em 2015, e da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, em 2019 - mataram e contaminaram águas e solo em cidades de Minas Gerais e do Espírito Santo.

Ambas também são um projeto, mas deste caso da Vale, nos mesmos moldes da lógica aplicada em Maceió. Ou seja, convive-se bem com o risco à vida dos outros enquanto a lucratividade for atraente. Tanto que, após os desastres, a empresa prometeu um processo de descomissionamento, ou melhor, de aposentadoria de um certo tipo de barragens de rejeitos. Por que não implementaram antes? Porque dava lucro, porque o poder público não obrigou, porque parte da imprensa estava mais preocupada em elogiar a empresa como "exemplo de privatização" do que cobrar dela.

A Vale também está na COP28, em Dubai, mas certamente não exibirá o vídeo dos mortos em Brumadinho ou da lama de Bento Rodrigues.

A Braskem destaca, em seu site, textos afirmando que está entre as empresas "mais amadas" do país. A pesquisa foi feita entre os moradores pobres de Maceió?

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Veja também