Leonardo Sakamoto

Leonardo Sakamoto

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Reportagem

Bolsonaro perdeu batalha nas redes sociais sobre operação da PF, diz Quaest

Jair Bolsonaro (PL) foi criticado em 58% das postagens em redes sociais que trataram da operação da Polícia Federal que cumpriu, nesta quinta (8), mandados de busca e apreensão e de prisão em meio à investigação sobre uma organização criminosa que tentou um golpe de Estado. Outras 42% defenderam o ex-presidente.

Os dados foram coletados e analisados pela Quaest ontem, enquanto transcorriam a operação e seus primeiros desdobramentos.

De acordo com Felipe Nunes, diretor do instituto de pesquisa, o assunto alcançou 56 milhões de contas em redes sociais, à frente de operações como a da Abin contra o vereador Carlos Bolsonaro, a que tratava da falsificação dos cartões de vacina, a do escândalo das joias surrupiadas e da delação de Mauro Cid.

O alcance ficou atrás apenas do 8 de janeiro de 2023, dia dos atos golpistas em Brasília.

Segundo a Quaest, a esquerda celebrou a operação, bombando expressões como "Bolsonaro na cadeia", debochando dos alvos, como no uso do jargão "toc toc", e fazendo piadas com os alvos da investigação, incluindo os generais e outros militares.

Já a direita centrou o foco na narrativa de perseguição política contra a oposição e fez críticas ao Poder Judiciário, principalmente Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal, que autorizou a operação.

Vale lembrar que a população está dividida a respeito da responsabilidade de Jair Bolsonaro pelas ações golpistas após a sua derrota para Lula no segundo turno da eleições de 2022.

Na última pesquisa Quaest sobre a percepção a respeito dos atos golpistas de 8 de janeiro, divulgada no mês passado, 47% dos entrevistados acreditavam que Bolsonaro teve influência sobre o ocorrido, contra 43% que pensavam o contrário, um empate técnico considerando a margem de erro.

Quase um ano antes, em fevereiro de 2023, eram 51% e 38%, respectivamente, mostrando que o tempo está diluindo a percepção sobre a responsabilidade de Jair.

Continua após a publicidade

No levantamento mais recente, 89% desaprovam e 6% aprovam as invasões e os vandalismo contra as sedes dos três poderes em Brasília.

E a polarização afeta o julgamento: entre os eleitores de Lula, 76% apontam responsabilidade de Bolsonaro nos atos golpistas, enquanto 81% dos eleitores do ex-presidente dizem que ele não teve nada a ver com isso.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também