Leonardo Sakamoto

Leonardo Sakamoto

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Bolsonaro joga general Heleno aos leões ao terceirizar sua responsabilidade

Jair Bolsonaro jogou nas costas do general Augusto Heleno a responsabilidade pela proposta de espionagem à campanha eleitoral de Lula, em 2022, pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência), durante entrevista à TV Record. "É o trabalho da inteligência dele, que eu não tinha participação nenhuma", disse.

Campeão de Arremesso de Responsabilidade à Distância, era esperado que o ex-presidente ganharia mais uma medalha na modalidade em meio à operação da Polícia Federal, da última quinta (8), que investiga o golpe de Estado que ele tentou dar. Mas, vale lembrar, o chefe era ele, que não fez nada diante da informação.

A reunião ministerial de 5 de julho de 2022 ficará para a História como a primeira do gênero em que um golpe de Estado foi discutido de frente para as câmeras, reforçando a tênue fronteira entre a autoconfiança e a burrice no bolsonarismo. Nela, Heleno contou que pretendia infiltrar agentes da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) nas campanhas de Lula e Bolsonaro.

"O problema todo disso é se fazer qualquer coisa. Se houver qualquer acusação de infiltração desse elemento da Abin em qualquer um dos lados...", disse o general antes de ser interrompido por Jair, que pediu para o assunto ser tratado de forma privada na sala dos dois.

"Ah, mas o monitoramento era dos dois lados." Sim, pequeno gafanhoto, mas um desses lados, justamente o que planejava a espionagem, não só sabia que estaria sendo arapongado, como também daria a palavra final sobre o uso do conteúdo.

Não há registro de que Bolsonaro repreendeu imediatamente e publicamente o general por propor espionar a campanha do adversário, o que seria o correto a ser feito. Afinal, ele era o presidente da República e superior de Heleno, tinha essa responsabilidade. O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional levou bronca apenas porque resolveu tratar do assunto na reunião.

Jair até deu uma passadinha de pano no aliado: "Não vejo nada demais naquilo. O Heleno queria se estender sobre o assunto, eu falei que não era o caso de ficar entrando em detalhes. Vai fazer uma operação, faça. A Abin tem esse poder de fazer operações e preservar as pessoas até", disse.

A Agência pode muita coisa, mas não tudo - como espionar ilegalmente milhares de pessoas durante os primeiros anos do governo Bolsonaro, o que foi descoberto por investigação da PF.

O general Heleno ainda foi mais fundo, após levar o pito, talvez pra mostrar que não estavam de brincadeira:

Continua após a publicidade

"O segundo ponto é que não tem VAR nas eleições. Não vai ter segunda chamada na eleição, não vai ter revisão do VAR. Então, o que tiver que ser feito tem que ser feito antes das eleições. Se tiver que dar soco na mesa, é antes das eleições. Se tiver que virar a mesa, é antes das eleições", afirmou na reunião.

E, não contente, foi além: "Vai chegar um ponto em que não vamos poder mais falar, vamos ter que agir. Agir contra determinadas instituições e determinadas pessoas, isso para mim é muito claro".

Bolsonaro atribuiu a terceiros a responsabilidade pelas mortes na pandemia, pelos problemas na economia, pelas mortes nas chuvas na Bahia, pelo escândalo das joias da Arábia. Não é de se estranhar que adote o mesmo comportamento agora.

Se Augusto Heleno precisa ser investigado pelo que propôs, Bolsonaro tem que responder por aquilo que não fez, que impedir que a Abin fosse usada como instrumento para um grupo político se perpetuar no poder. Mas, claro, que este parágrafo é apenas um exercício de retórica fútil porque era o grupo dele que tentava se perpetuar. E sequestrar instituições para seu uso pessoal foi exatamente a sua meta desde seu primeiro dia de governo.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Veja também