PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por falta de segurança, enviados da Record e da CNN Brasil deixam Kiev

O repórter Leandro Stoliar relata, da estação ferroviária de Zaporizhzhia, a dificuldade de chegar a Kiev  - Reprodução
O repórter Leandro Stoliar relata, da estação ferroviária de Zaporizhzhia, a dificuldade de chegar a Kiev Imagem: Reprodução
só para assinantes
Mauricio Stycer

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o "Lance!" e a "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Adeus, Controle Remoto" (editora Arquipélago, 2016), "História do Lance! ? Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo? (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011). Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Colunista do UOL

26/02/2022 12h39Atualizada em 01/03/2022 09h52

Os enviados especiais da CNN Brasil, Mathias Brotero, e da Record, Leandro Stoliar e Luis Felipe Silveira, deixaram Kiev num trem na noite de sexta-feira (25) em direção à Varsóvia, na Polônia.

A falta de segurança para o trabalho de jornalistas foi o que motivou a decisão dos dois canais de retirar os seus correspondentes. "A situação de segurança em Kiev ficou complicada com a invasão do exército russo", disse Brotero no vídeo que gravou dentro do trem. O "Jornal da Record" terminou na sexta com Stoliar mostrando o interior do trem que o levaria a Polônia. O enviado da Record deve permanecer enviando relatos da região da fronteira.

Em mensagem pessoal, compartilhada pelo SBT, o jornalista Sergio Utsch revelou na manhã deste sábado que foi obrigado a deixar o hotel onde estava hospedado. Segundo ele, o local deixou de ser seguro depois que milicianos ucranianos o ocuparam. Tornou-se, assim, um possível alvo de ataques russos. Utsch disse que vários outros jornalistas hospedados no mesmo hotel foram embora.

Assim como Utsch, o jornalista Yan Boechat, correspondente da Band, continua em Kiev. Neste sábado, ele postou imagens de um prédio residencial na cidade que foi atingido por um míssil.

A Record informou que o jornalista Roberto Cabrini já está em Kiev. O "Domingo Espetacular" está prometendo mostrar a sua viagem: "Na Polônia, o jornalista entrevista refugiados que conseguiram escapar da região. E faz o caminho inverso, revelando seu próprio trajeto, partindo de Varsóvia para Kiev, a capital do país que enfrenta a invasão das tropas russas". Outro enviado da emissora, André Tal, está indo de Israel para uma região na fronteira da Ucrânia.