PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Silvio Santos é condenado por perguntar a criança se prefere sexo ou poder

Silvio Santos - Flávio Florido/UOL
Silvio Santos Imagem: Flávio Florido/UOL
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

08/03/2022 09h34

O apresentador Silvio Santos e o SBT foram condenados pela Justiça paulista a pagar uma indenização de R$ 50 mil a uma menina que, em 2016, participou do quadro "Levanta-te", uma competição de calouros na qual crianças de 6 a 10 anos cantam com suas mães.

Ao entregar um prêmio de R$ 1.000, Silvio Santos, rindo, perguntou à garota: "O que você acha melhor, sexo, poder ou dinheiro?". A mãe, a criança e os jurados do programa sorriram constrangidos.

O desembargador José Aparício Coelho Prado Neto, relator do processo no Tribunal de Justiça, afirmou na decisão que a pergunta causou "um imenso constrangimento" à garota, destacando que o episódio teve grande repercussão nas redes sociais e na mídia em geral.

Silvio Santos e o SBT, que já haviam sido condenados em primeira instância, se defenderam no processo argumentando que a pergunta precisa ser analisada no seu contexto e que houve cerceamento ao direito de defesa, pois o programa não foi examinado na íntegra pela Justiça.

Afirmaram também que não ocorreu nenhum tipo de dano indenizável à garota.

O apresentador e a emissora ainda podem recorrer.

A mãe da menina afirmou no processo que o episódio foi um "vexame". Ela pleiteava uma indenização por danos morais de R$ 998 mil, mas o Tribunal de Justiça confirmou os R$ 50 mil estipulados na decisão de primeira instância, valor que ainda será acrescido de correção monetária e juros desde o início do processo.