PUBLICIDADE
Topo

Carla Zambelli diz à PF que não pediu a Bolsonaro para nomear Moro no STF

Troca de mensagens entre Moro e Bolsonaro e entre Moro e Carla Zambelli - Reprodução
Troca de mensagens entre Moro e Bolsonaro e entre Moro e Carla Zambelli Imagem: Reprodução
Rubens Valente

Rubens Valente é repórter desde 1989 e há 10 anos atua em Brasília. Nasceu no Paraná e trabalhou em órgãos da imprensa de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde se formou em jornalismo na UFMS (Universidade Federal do MS). É autor de "Operação banqueiro" (Geração Editorial, 2014) e "Os fuzis e as flechas - história de sangue e resistência indígena na ditadura militar" (Companhia das Letras, 2017). Recebeu 17 prêmios nacionais e internacionais, incluindo o Prêmio Esso de Reportagem, dois Prêmios de Excelência Jornalística da SIP (Sociedade Interamericana de Jornalismo) e dois Grandes Prêmios Folha.

Colunista do UOL

13/05/2020 20h02

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) afirmou à Polícia Federal nesta quarta-feira (13) que não conversou com o presidente Jair Bolsonaro sobre negociar a permanência do então ministro Sérgio Moro no governo federal em troca de uma vaga de ministro no STF (Supremo Tribunal Federal).

A parlamentar afirmou que "não chegou a ter qualquer conversa com o presidente Jair Bolsonaro no sentido de o ex-ministro Sérgio Moro aceitar a substituição da direção da Polícia Federal tendo como contrapartida a vaga no STF". Disse também que não falou sobre o assunto "com pessoas em nome do presidente Jair Bolsonaro".

Em abril, por meio de mensagens trocadas por telefone e divulgadas primeiro pelo "Jornal Nacional" e depois pela própria parlamentar, Zambelli aparece sugerindo a Moro que poderia trabalhar para uma indicação do então ministro ao STF caso ele aceitasse o delegado Alexandre Ramagem no comando da Polícia Federal. Moro respondeu que não estava "à venda".

No depoimento, Zambelli também foi indagada sobre uma mensagem do dia 17 de abril, na qual teria escrito que "os casos da Lava Jato no Congresso precisam andar". Indagada se "chegou a perguntar ao ex-ministro Sérgio Moro sobre a existência de algum inquérito específico", a deputada disse que "chegou a mandar ao ex-ministro uma matéria em que a PGR [Procuradoria Geral da República] cobrava conclusão de investigação sobre o deputado federal Rodrigo Maia", presidente da Câmara. Zambelli, contudo, argumentou que "apenas perguntou se esse inquérito era de responsabilidade da Polícia Federal".

"Essa pergunta partiu apenas da depoente [Zambelli] e não do presidente Jair Bolsonaro por meio dela", disse a parlamentar.

Rubens Valente