PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Thaís Oyama


Thaís Oyama

"Bolsonaro é fascista e preconceituoso", disse o seu anfitrião no Piauí

O presidente Bolsonaro, de máscara. Mascarado? -                                 REPRODUçãO/FACEBOOK
O presidente Bolsonaro, de máscara. Mascarado? Imagem: REPRODUçãO/FACEBOOK
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política da rádio Jovem Pan. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

30/07/2020 14h51Atualizada em 31/07/2020 17h30

"O Bolsonaro eu tenho muita restrição porque é um fascista", declarou o senador Ciro Nogueira em entrevista à TV Meio Norte em 2017.

"Ele tem um caráter fascista, preconceituoso. É muito fácil você ir para a televisão dizer que vai matar bandido. É um discurso muito fácil, mas isso não é para presidente da República. O Bolsonaro não tem capacidade de governar. Ele nunca geriu nada."

Naquela época, o senador Ciro Nogueira, um dos líderes do Centrão, se dizia Lula-desde-criancinha e jurava apoio ao petista caso ele obtivesse autorização do TSE para ser candidato à Presidência. "Lula foi o melhor presidente que o Brasil já teve", declarava o parlamentar.

Hoje, o senador do Progressistas foi o sorridente anfitrião do "fascista", "preconceituoso" e "incapaz de governar" Jair Bolsonaro no Piauí.

Lá, de chapéu de couro, com que subiria em seguida no lombo de um jegue, o presidente foi aplaudido por uma multidão que pedia o "fim do Lava Jato", conforme vídeo postado pela deputada e ex-bolsonarista Joice Hasselman. Na operação, espinafrada ontem pelo Procurador-Geral da República, Augusto Aras, está denunciado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro o novo amigo de infância de Bolsonaro, o senador Nogueira.

Bolsonaro, que se elegeu satanizando a "velha política", já perdeu o medo do diabo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Thaís Oyama