PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


Uso da cloroquina não explica a situação da pandemia no Senegal

Post selecionou e tirou de contexto trechos de entrevista em que um médico senegalês elogia a cloroquina - Arte/Comprova
Post selecionou e tirou de contexto trechos de entrevista em que um médico senegalês elogia a cloroquina Imagem: Arte/Comprova

Do UOL, em São Paulo*

19/06/2020 18h54

Uma publicação do site PlenoNews circula nas redes sociais afirmando que o Senegal teria usado cloroquina desde o primeiro caso de covid-19 e, por isso, teria apenas cinco óbitos e uma taxa de mortes por milhão menor que a da Coreia do Sul até o dia 21 de abril. O post viralizou após compartilhamento, no dia 16 de junho, pelo pastor e deputado federal Marco Feliciano (Republicanos-SP). O texto cita como fonte uma entrevista do médico senegalês Moussa Seydi para a revista francesa Marianne.

O post é enganoso porque selecionou e tirou de contexto trechos da entrevista em que o médico elogia a cloroquina. Na mesma entrevista, Seydi afirma, no entanto, que a explicação para o, até então, sucesso no combate à pandemia no Senegal se devia a vários pontos, como distanciamento social, uso de máscara e fechamento das fronteiras, e não apenas ao uso do medicamento hidroxicloroquina.

Na mesma entrevista, o médico senegalês defendeu estudos clínicos com a droga que estavam sendo realizados à época. "Se eles [os resultados] forem confirmados a longo prazo, tanto melhor, continuaremos. Caso contrário, vamos parar", afirmou sobre os testes Solidariedade, da OMS, e o Discovery, da União Europeia. De acordo com a OMS, os dois testes já mostraram que a hidroxicloroquina não apresenta redução na mortalidade.

Além disso, no momento em que a publicação voltou a ganhar destaque com o compartilhamento de Marco Feliciano, em 16 de junho, os números da pandemia no Senegal já não eram os mesmos do texto original, de 21 de abril. Naquela data, o Senegal tinha 377 casos confirmados e um total de cinco óbitos. Já em 16 de junho, o país africano passou para 5.090 casos confirmados e total de 60 mortes. Aumento de aproximadamente 1.250% no número de casos e de 1.100% na quantidade de óbitos.

Como verificamos?

O primeiro passo foi procurar a entrevista original. Com uma busca simples no Google, foi possível encontrar o texto, publicado em 17 de abril de 2020 no site da revista francesa Marianne.

Em seguida, tentamos descobrir se o entrevistado realmente era médico. Para isso, fizemos pesquisas no Google e encontramos diversas reportagens com Seydi publicadas em diversos meios de comunicação, como a France24 e o The Africa Report. Também encontramos uma entrevista concedida pelo médico para o Ministério da Saúde do Senegal.

Ao mesmo tempo, procuramos Moussa Seydi no Facebook e no LinkedIn. Lá concluímos que ele é coordenador no Centre Hospitalier National Universitaire de Fann, nas proximidades da capital do país, Dakar. Entramos em contato com um jornalista senegalês, que nos confirmou que Seydi comanda a resposta à pandemia no país. Esse jornalista nos passou o contato de Seydi e pudemos conversar com ele por WhatsApp.

Após entrar em contato com o médico, confirmamos os dados de contaminações e óbitos nos dois países citados na matéria do site brasileiro: Senegal e Coreia do Sul. Consultamos as bases de dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Universidade Johns Hopkins porque ambas são referência no assunto.

Com base na entrevista de Seydi para a revista Marianne, fomos atrás dos estudos Solidariedade e Discovery, citados pelo médico para saber qual o status e a qual conclusão teriam chegado.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 19 de junho de 2020.

Verificação

A entrevista original, concedida à revista Marianne é verdadeira. Contudo, a publicação brasileira analisada pelo Comprova selecionou apenas trechos desta entrevista nos quais o médico faz elogios à hidroxicloroquina. Assim, a publicação é enganosa porque não incluiu as partes da entrevista em que o médico expõe outras medidas adotadas pelo Senegal para o combate à pandemia, como o isolamento social, e tampouco as partes em que ele fala sobre a necessidade de mais testes clínicos para avaliar a eficácia do medicamento.

Questionado sobre os números baixos de mortos e casos, Seydi disse: "A explicação pode conter vários pontos. Primeiro, houve fortes medidas desde o início para fechar as fronteiras, o que impediu a proliferação de casos importados de covid-19. A proibição de grandes reuniões, como as orações de sexta-feira, também nos permitiu reduzir imediatamente o fluxo de novos casos."

Ele ainda citou que a população senegalesa é jovem e, por isso, seriam poucos os pacientes em estado grave. "No entanto, temos preocupações com a multiplicação de casos comunitários. Esse é um perigo iminente que deve ser cuidadosamente monitorado", acrescentou.

Uso da hidroxicloroquina

Na mesma entrevista, o médico defendeu o uso da hidroxicloroquina. "Em 19 de março, implementamos um protocolo de tratamento para os pacientes menos graves com tratamento com hidroxicloroquina. Tratamento em que, no momento, observo bons resultados em relação à redução da carga viral."

Seydi é defensor da hidroxicloroquina. Segundo ele, o medicamento já era amplamente conhecido no país porque é utilizado para tratar a malária, doença com grande incidência no continente africano. "Tenho um produto em minhas mãos que não considero perigoso para meus pacientes. E eu posso usá-lo para tratar os doentes em caso de emergência, então eu uso. Tudo deve ser feito para que a luta contra a epidemia seja bem-sucedida."

O antimalárico entrou no debate da pandemia após o cientista francês Didier Raoult publicar um estudo no qual afirmava que ele curaria a covid-19. Raoult cresceu em Dakar, capital do Senegal, e atualmente comanda um centro de pesquisas em Marselha, na França. Conhecido por sua heterodoxia, ele é crítico do meio científico e coleciona polêmicas. Entre elas, seu estudo com a hidroxicloroquina. Após ser publicado, outros especialistas franceses o criticaram pelo baixo número de pacientes - 36, dos quais apenas 20 foram tratados com o medicamento.

O estudo de Didier Raoult inicialmente contava com 26 pacientes tratados com a hidroxicloroquina. Os seis restantes foram retirados do relatório final porque interromperam o tratamento: um por sentir náuseas, três por terem ido para a UTI, um morreu e outro deixou de comparecer ao hospital. Dentre os 16 pacientes que não tomaram a droga, 14 testaram positivo para o vírus ao final do período de seis dias - embora o relatório inicial diga que cinco deles não tiveram seus dados coletados.

Além disso, o estudo tinha discrepâncias como a idade dos participantes e pacientes que foram tratados fora do hospital de Didier, onde o protocolo de atendimento pode ter sido diferente. Por fim, um paciente tratado com a combinação hidroxicloroquina + azitromicina foi dado como curado, mas na verdade continuava com a doença.

"Este estudo tem falhas e imperfeições, mas achei seus resultados interessantes", disse o senegalês Seydi à Marianne. Ele falou que o estudo do francês tem problemas, mas que outros estudos que o contestaram também tinham. Por isso, seria preciso esperar o resultado de outros testes, mais abrangentes, para saber o real benefício da hidroxicloroquina. Seydi cita os estudos Solidarity, da OMS, e o Discovery, da União Europeia. "Estes serão estudos certamente mais bem documentados. Isso nos permitirá questionar nossas atitudes e, assim, julgar se elas são condenáveis

Estudos não encontraram efeito positivo da hidroxicloroquina

"Se eles [os resultados] forem confirmados a longo prazo, tanto melhor, continuaremos. Caso contrário, vamos parar", afirmou o médico senegalês em abril. Desde então, o projeto Solidariedade anunciou que os testes com a hidroxicloroquina foram suspensos porque não foram encontradas evidências de eficácia. De acordo com a OMS, os dados do próprio Estudo Solidariedade, do projeto Recovery, do Reino Unido, e também do projeto Discovery — que foi citado por Seydi — mostraram que o tratamento com a hidroxicloroquina não apresentava redução na mortalidade dos pacientes.

Ao ser questionado pelo Comprova em relação aos estudos, Seydi afirmou que nem o Solidariedade, nem o Discovery utilizaram o protocolo proposto pelo médico Didier Raoult. Seydi enviou um link de uma entrevista que ele concedeu ao site senegalês Dakaractu afirmando que o uso da hidroxicloroquina em conjunto com o antibiótico azitromicina poderia diminuir o tempo de internamento de 13 para 10 dias. "Por enquanto, vamos utilizar apenas os nossos estudos. Nós também vamos começar um ensaio clínico randomizado próprio", disse Seydi.

Números da infecção

A publicação original, feita no dia 21 de abril, afirmava que o Senegal tinha registrado apenas 5 óbitos - o que resultaria em uma mortalidade de 0,3 a cada 1 milhão de habitantes. O texto comparava esse número aos da Coreia do Sul, afirmando que os sul-coreanos teriam cinco mortes a cada 1 milhão de habitantes.

Os dados da Organização Mundial da Saúde mostram que, em 21 de abril, o Senegal realmente tinha registrado apenas cinco óbitos e, considerando a população de 15,8 milhões de habitantes, tinha 0,3 mortes a cada 1 milhão de habitantes. Já a Coreia do Sul, com sua população de 51,6 milhões de habitantes, tinha 237 mortes, uma taxa de 4,6 mortes a cada 1 milhão de habitantes.

Até então, os números da publicação estavam corretos. No entanto, é importante ressaltar, também, que a pandemia do novo coronavírus começou em momentos diferentes nos dois países. A Coreia do Sul registrou o primeiro caso no dia 20 de janeiro, enquanto o Senegal só registrou a primeira infecção 42 dias depois, em 2 de março. Essa diferença ajuda a explicar a diferença entre os números.

Mesmo assim, o texto voltou a ganhar destaque depois que foi compartilhado pelo pastor e deputado federal Marco Feliciano no dia 16 de junho. Nessa data, 25 dias depois da publicação original, o Senegal já tinha registrado um aumento de mais de 1.100% no número de casos e de óbitos pela covid-19 - chegando a 5 mil casos e 60 mortes. Esses valores mostram que o país tinha 32 casos e 3,8 mortes a cada 1 milhão de habitantes.

Já a Coreia do Sul, também até o dia 16 de junho, teve um aumento de apenas 13,7% nos casos e 17% dos óbitos - chegando a 12.155 confirmados e 278 mortes no total. Isso significa que o país tinha 23 casos e 5,3 mortes a cada 1 milhão de habitantes. Entre os dias 21 de abril e 16 de junho, a evolução da doença no país africano foi muito mais expressiva do que no país asiático.

Para obter o número de mortes por milhão de habitantes, basta dividir o número de óbitos pela quantidade de habitantes e, depois, multiplicar o resultado por 1 milhão.

Por que investigamos?

O Comprova verifica conteúdos sugeridos pelos leitores que tenham muita viralização. O texto investigado aqui, que também já foi checado pelo Boatos.org, teve, de acordo com a ferramenta de monitoramento CrowdTangle, quase 700 mil interações no Facebook, número impulsionado pelo compartilhamento feito pelo deputado Marco Feliciano.

No caso da pandemia causada pelo novo coronavírus, os conteúdos falsos e enganosos prejudicam o debate público, atrapalham os esforços de autoridades no assunto e, no limite, podem provocar danos a quem seguir determinadas recomendações.

Enganoso para o Comprova é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro com o propósito de mudar o seu significado, que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor. Pode ser, também, o conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Desde o início da pandemia, esta é a oitava verificação envolvendo a hidroxicloroquina, medicamento cujo uso contra a covid-19 foi politizado após manifestações do presidente Jair Bolsonaro e do presidente dos EUA, Donald Trump, em favor de sua utilização. Trump afirmou, inclusive, que tomou hidroxicloroquina. Até o momento, não existem evidências científicas robustas que comprovem a eficácia no tratamento da covid-19.

Neste contexto, o Comprova verificou, por exemplo, postagens que enganavam a respeito do uso da droga em um hospital do Piauí e outro que confundia ao acusar cientistas brasileiros de deliberadamente usarem doses letais de cloroquina em testes para prejudicar o governo.

*O material foi produzido por veículos integrantes do projeto Comprova: "Piauí" e "Estado de S. Paulo"

O Comprova é um projeto integrado por 24 veículos de imprensa brasileiros que descobre, investiga e explica rumores, conteúdo forjado e táticas de manipulação associados a políticas públicas. Envie sua pergunta ou denúncia de boato pelo WhatsApp 11 97795 0022.

UOL Confere