PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


É falso que a Folha tuitou sobre jovem que matou manifestantes nos EUA

17 nov. 2021 -  Kyle Rittenhouse durante julgamento - Getty Images via AFP
17 nov. 2021 - Kyle Rittenhouse durante julgamento Imagem: Getty Images via AFP

Do Projeto Comprova

26/11/2021 16h53Atualizada em 26/11/2021 16h53

É falso que a Folha de S.Paulo tenha publicado um tuíte com o título "A absolvição do jovem supremacista branco nos EUA pode estimular brasileiros bolsonaristas a atirar indiscriminadamente contra manifestantes pacíficos no Brasil?". Montagem que circula no Facebook simula conteúdo usando, inclusive, o logo e o nome de usuário do veículo paulistano no Twitter.

Abaixo do título do meme há uma foto de Kyle Rittenhouse, jovem branco inocentado após matar dois manifestantes em um protesto contra o racismo em Wisconsin, nos Estados Unidos, ao lado de uma imagem do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Mais abaixo, está o endereço do site da Folha e o que seria uma explicação da suposta reportagem: "Sociólogo afirma que integrantes do MST e MTST correm risco de vida por causa da…", assim mesmo, com reticências. Não há link para nenhum outro conteúdo.

Em uma rápida consulta no site do jornal e no Twitter, via TweetDeck, é possível verificar que não foi publicado nada nesse sentido. Contatada pelo Comprova, a Folha afirmou não ter publicado nenhum texto com esse teor e nem feito o tuíte com o conteúdo em questão.

A reportagem tentou contatar três páginas no Facebook que compartilharam o conteúdo, mas não obteve resposta até a publicação deste texto. A postagem foi considerada falsa porque usa informações inventadas.

Como verificamos?

O primeiro passo foi fazer uma busca pelo título que aparece no conteúdo falso no site da Folha. Depois, para confirmar que não havia nenhum texto com aquelas informações publicado no Twitter, a mesma busca foi feita no TweetDeck.

A reportagem entrou em contato com três páginas que publicaram a montagem - @analisespoliticasdaesquerdabrasileira, @osshibumi e @paulobatistasp -, mas nenhuma delas respondeu.

Para contextualizar o caso do jovem absolvido, foram feitas pesquisas em sites da imprensa.

Verificação

O falso tuíte

Simulando um post da Folha no Twitter, o conteúdo verificado aqui inventa título de texto que o jornal não publicou. Além disso, a imagem mostra o link do site do veículo, mas, diferentemente do que ocorre nas redes sociais do jornal, não é possível clicar no endereço que aparece no montagem..

A Folha tampouco se referiu a Rittenhouse como supremacista. Há 17 textos sobre ele no site do jornal, sempre o descrevendo como "jovem branco" e "adolescente".

O caso

Kyle Rittenhouse tinha 17 anos quando detido, após matar Joseph Rosembaum e Anthony Huber durante uma manifestação antirracista que ocorria na cidade de Kenosha, nos Estados Unidos, em agosto de 2020. Uma terceira pessoa foi atingida pelos disparos, mas, ao ser levada para o hospital, conseguiu sobreviver.

Em novembro do ano passado, ele foi liberado da detenção após pagar fiança de US$ 2 milhões. A defesa alegou que Rittenhouse agiu em legítima defesa. Rittenhouse respondia por ser um menor de idade em posse de arma de fogo, algo que é proibido em Wiscosin, e também por homicídio.

Mais de um ano após o episódio, em novembro de 2021 o júri inocentou o acusado. Os advogados do jovem afirmaram que ele foi "repetidamente atacado e atirou com medo de perder a própria vida". Agora com 18 anos, Rittenhouse chorou após o veredito e desabou no chão antes de ser ajudado a voltar para sua cadeira.

O caso foi concluído em juízo após mais de três dias de deliberações e de oitivas que ofereceram perspectivas diferentes das ações de Rittenhouse na noite do crime.

Protestos após o veredito

A absolvição de Kyle gerou uma onda de protestos nos Estados Unidos. Após o veredito, dezenas de manifestantes ocuparam as escadas externas do tribunal em que acontecia a sessão que inocentou o adolescente. Durante a noite, eles saíram às ruas para protestar.

Personalidades políticas, como o ex-presidente norte-americano Donald Trump, elogiaram o veredito do júri, alegando que o julgamento "não foi mais do que uma caça às bruxas da esquerda radical".

Por outro lado, o presidente Joe Biden disse que a decisão o deixava "irritado e preocupado", mas pediu calma à parcela da população norte-americana que foi às ruas protestar.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos que tenham viralizado sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O conteúdo checado aqui teve ao menos 3 mil interações até 25 de novembro. Dois compartilhamentos haviam se tornado indisponíveis para visualização, o que ocorre, segundo o Facebook, porque "o dono só compartilhou com um pequeno grupo de pessoas, alterou quem pode vê-lo ou ele foi excluído".

Ao inventar que a Folha, um dos principais jornais do país, teria publicado tal conteúdo, o post incentiva ataques ao jornal - e, consequentemente, à imprensa - ao sugerir falsamente que o veículo estaria fazendo uma campanha contra os apoiadores do presidente. Diversos comentários mostram que os seguidores das páginas entenderam que a Folha estaria ultrapassando limites éticos com o suposto conteúdo. "Tem que ser preso (por) fazer uma matéria mentirosa", "Isso é jornalismo? Dá nojo ler uma coisa dessas" e "É cada uma! R.I.P, jornalismo brasileiro".

O mesmo conteúdo foi verificado pela agência Aos Fatos. E o Comprova já checou outras peças de desinformação que, seguindo a linha de Bolsonaro, atacam a imprensa, como o de post que inventa que inventa que Lula é acionista da Folha.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

O Comprova é um projeto integrado por 33 veículos de imprensa brasileiros que descobre, investiga e explica informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens. Envie sua sugestão de verificação pelo WhatsApp no número 11 97045 4984.

Tradutor: É falso que a Folha tuitou obre absolvição de homem que matou manifestantes