Topo

Polícia Militar de Santa Catarina recua e cancela reforço de policiamento após queda na violência

Janaina Garcia

Do UOL, em Florianópolis

19/11/2012 13h04

A Polícia Militar de Santa Catarina suspendeu o reforço no policiamento previsto para começar nesta segunda-feira (19) em Florianópolis e região metropolitana.

O incremento de 500 policiais seria feito por meio de PMs em folga, em férias ou de cidades do interior do Estado que auxiliariam no combate à onda de violência que completa hoje uma semana.

A escolta de ônibus do transporte coletivo, porém, prossegue ao menos até a próxima quarta-feira (21).

De acordo com a corporação, a decisão foi tomada em função da queda brusca de ataques a ônibus do transporte coletivo ou a bases da PM e da Guarda Civil registrada nos últimos dias.

Na semana passada, a capital catarinense chegou a registrar cinco casos de taques em poucas horas numa mesma madrugada.

Por outro lado, a PM admite que a divulgação de uma gravação interceptada pela Inteligência da Polícia Civil também influenciou a decisão de não reforçar o policiamento.

Conversa entre presos

O material, divulgado hoje pelo jornal “Diário Catarinense”, seria uma conversa entre dois presos travada na última quinta-feira (15) e na qual a determinação era para a diminuição dos ataques.

Segundo o jornal, um dos presos é de Blumenau (a 147 km de Florianópolis); a origem do outro não foi identificada. Em um trecho da conversa, um dos interlocutores promete enviar a mensagem a integrantes do PGC (Primeiro Grupo Catarinense), cujos líderes estão no presídio de São José.

Hoje, uma força-tarefa do Ministério da Justiça e da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência farão uma inspeção no local, após a informação de que presos teriam sido torturados na unidade.

“Analisando os gráficos de ocorrência de prisões, vimos que o pico foi na quinta. E, como há a informação divulgada pela mídia de que existe um ‘salve’ dado pela facção criminosa pedindo que as ações parassem, suspendemos o efetivo que estava mobilizado a agir --ainda que, é fato, nem todos os ataques partirem de ordem de facções”, afirmou o porta-voz da PM, major Alessandro Marques.

A existência da gravação interceptada foi confirmada ao UOL pela Polícia Civil e pela Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina, que não entraram em detalhes alegando que o caso corre sob investigação.

De acordo com o porta-voz da PM, a orientação em relação às escoltas de ônibus do transporte coletivo dependerá “das próximas horas e dos próximos dias”.

“Nosso gabinete de crise continua mobilizado e em estado de atenção, mas é fato que não há nenhuma ocorrência desde as 22h de ontem”, disse, referindo-se às pedradas em um ônibus em Criciúma, sul do Estado. Uma passageira ficou ferida, sem gravidade.

Em uma semana, três mortos e quase 50 presos

Até o final da manhã de hoje, segundo a Polícia Civil, foram registradas 68 ocorrências em 17 cidades catarinenses. Do total, dez casos ainda não têm confirmação se estão relacionados à onda de ataques.

O balanço traz também 27 ônibus incendiados, dois carros da polícia e dez prédios de PM ou guarda civil atacados, três suspeitos mortos e 48 pessoas presas.

Cotidiano