Em ato com 110 mil pessoas em SP, manifestantes gritam por uma vida "sem catraca"

Débora Melo, Guilherme Balza, Janaina Garcia e Marivaldo Carvalho

Do UOL, em São Paulo

  • Gabriela Biló/Futura Press

    Manifestantes fecham os dois sentidos da avenida Paulista, na região central de São Paulo

    Manifestantes fecham os dois sentidos da avenida Paulista, na região central de São Paulo

Ao menos 110 mil manifestantes, segundo medição do Datafolha, voltaram a interditar a avenida Paulista e a avenida 23 de Maio, na região central de São Paulo, na noite desta quinta-feira (20), durante o sétimo ato contra o transporte público. Segundo a PM, 100 mil pessoas participaram do ato. Em uma passeata considerada pacífica, em que o saldo final foi de um ferido e três pessoa detida, apenas um princípio de tumulto entre manifestantes contra a presença de partidos políticos e militantes causou confusão.

Em determinado momento, o grupo se dividiu e uma se dirigiu à Câmara municipal enquanto outra foi para a frente da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), mas logo também se dispersaram.

Manifestante é socorrido após receber paulada

Em entrevista ao UOL, o MPL (Movimento Passe Livre) afirmou que por volta das 21h30 não estava mais à frente do protesto. "O movimento deixou a manifestação porque ela já cumpriu a obrigação dela, que era comemorar a queda da tarifa", afirmou Lucas Monteiro, um dos integrantes do movimento.

Questionado se o ato de hoje seria o último organizado pelo movimento, ele respondeu: "não é a última manifestação; é a última contra o aumento da tarifa. Vamos continuar nos mobilizando para a tarifa zero".

Com o recente anúncio da redução do preço da passagem dos ônibus, trens e metrôs, os participantes foram às ruas para levantar outras bandeiras. O grito de guerra que marcou os últimos seis atos realizados na cidade, "se a tarifa não baixar, a cidade vai parar", foi substituído e os participantes passaram a gritar "por uma vida sem catraca". O "vem pra rua vem, contra o aumento" também ganhou uma nova versão: "vem pra rua vem, contra a tarifa."

Protestos se espalham pelo Brasil
Protestos se espalham pelo Brasil

Para a assistente administrativa Carolina de Souza, 22, que participa do ato, não basta reduzir o preço da passagem. "É preciso melhorar a qualidade do transporte público, além de garantir transporte gratuito para os estudantes."

Já a auxiliar administrativa Amanda Amorim, 21, aproveita o ato para pedir "melhores condições de saúde e de educação". "Quero um sistema de transporte com padrão Fifa", ironiza.

A advogada e drag queen Tchaka, que esteve nas seis manifestações anteriores, disse ser "contra o [presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara] Marco Feliciano e contra todos os outros Felicianos que votaram a favor do [projeto] da cura gay", declara. "Quem está doente não são os gays, mas os políticos corruptos e machistas e a elite que não vêm à rua por transporte público de qualidade".

Paulistanos comemoram tarifa e defendem mais protestos

O grupo se concentrou na praça do Ciclista e saiu em caminhada pela avenida Paulista, sentido Paraíso. Por volta das 18h30,  o grupo chegou na avenida 23 de Maio, sentido aeroporto.

De acordo com a PM, um grupo de cerca de 1.000 pessoas também fez um protesto na estação Santana do Metrô de São Paulo. Já no Grajaú, cerca de 30 protestaram na altura do número 100 da av. Delmira Marin. A marginal Tietê chegou a ser interditada na altura do Anhembi no sentido rodovia Castello Branco, mas logo foi liberada.

Princípio de tumulto

De acordo com a PM, o único detido foi por estar com um coquetel molotov na esquina da Paulista com a rua Augusta. O clima ficou tenso entre militantes do PSOL, PT, PCR e PCO e manifestantes. Enquanto os participantes gritavam "sem partido", os partidários respondiam "sem fascismo".

Uma pequena confusão entre os manifestantes que são contrários a participação dos partidos no ato e os militantes, na altura da alameda Campinas, deixou um homem ferido, que foi socorrido por policiais militares. Aproximadamente três bandeiras do PT foram queimadas, de acordo com a repórter Janaina Garcia.

A manifestante Fátima Sandalhel, ligada ao movimento Consulta Popular, contou à repórter Débora Melo que, por estar vestindo uma camiseta vermelha, foi confundida com militantes do PT e acabou sendo hostilizada. Ela afirma que não faz parte do partido, mas defende a presença do partido no ato. "Usar uma camisa vermelha é um direito meu como cidadã. Isso é antidemocrático? Isso é um absurdo", desabafou. A PM afirmou ter reforçado o policiamento da região central com 3.000 homens.

Incitação à violência

Na avenida Paulista, a repórter Janaina Garcia flagrou o momento em que um grupo de estudantes orientava crianças a proferir palavras contra policiais militares.

Elas seguravam placas com frases como "fim da PM" e "fim da repressão policial". Um dos jovens, filmando os pequenos, orientou "grita aí, vamos pôr fogo no busão"; "vamos atacar a PM".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos