PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Internauta do UOL considera que proibir "rolezinho" é preconceito velado contra pobres; dê sua opinião

Do UOL

Em São Paulo

27/12/2013 12h17Atualizada em 27/12/2013 19h53

Depois de quatro shopping centers de São Paulo receberem encontros de jovens, conhecidos como "rolezinhos", a associação de lojistas do setor pediu a presença de policiamento militar dentro dos estabelecimentos, revela reportagem do jornal Folha de S.Paulo. Organizados nas redes sociais, os "rolezinhos" são encontros maciços de jovens em centros comerciais. Em alguns deles, aconteceram tumultos e houve detenções. As reuniões assumiram tom de protesto contra um projeto de lei que proíbe a realização de bailes funk, aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo no início do mês. 

O que você acha dos "rolezinhos" e da ideia defendida por alguns lojistas de reforçar a segurança dos shoppings com PMs? Deixe sua opinião na área de comentários, abaixo.

Embora alguns dos mais de 200 internautas que manifestaram suas opiniões sobre o assunto tenham classificado os "rolezinhos" como vandalismo, outros dizem acreditar que a proibição desses encontros é uma forma velada de discriminar os pobres.

"Há vários aspectos envolvidos quando grupos jovens resolvem passar no shopping. Se esse grupo é formados por brancos vestidos com roupas de grife, não haveria nenhum alarme. Mas, se grupo são jovens pobres, funkeiros, que não vestem roupas de grife e não tem poder de compra, há uma repulsa geral", comentou Guttenberg Martins.

Comentário semelhante também foi publicado pela internauta identificada como Chris Burk, que questionou a posição daqueles que defendem que o acesso aos shoppings apenas para os que consomem. "Quando jovem ia fazer meus rolezinhos no Iguatemi, paquerar meninas e tomar um milk shake do McDonalds e nunca fui expulso ou revistado pela segurança. Será que é porque sou branco? Claro", destacou ele, que classificou a sociedade como "racista" e "segregada". 

Para o internauta Samir Barbosa, "os excluídos da cultura e educação criaram as suas próprias diversões doa a quem doer". O internauta que se identificou como tenente Columbo, por sua vez, acredita que "o Brasil está se tornando um país de selvagens, as pessoas não tem um mínimo de noção de cidadania, a violência está em todos os lugares."

Esses "rolezinhos", de acordo com o leitor identificado como Barão Vermelho, é mais um "subproduto da falida política do nosso país". Ainda assim Crlscesar relaciona as ocorrências a "uma crise de autoridade, onde ninguém respeita nada e nem ninguém".

Já o internauta Madruga99 defende a realização desses encontros ao enfatizar que "o acesso ao shopping é livre para esse pessoal que está indo lá, não é diferente". O mesmo foi dito por SanJan, que relata que os "centros comerciais são abertos para qualquer tipo de público, tendo dinheiro ou não".

Comerciantes reclamam de tumulto causado por "rolezinho" em shopping de SP

"Ir ao shopping com encontros mercados via redes sociais não é crime, e não houve crimes, apesar das detenções", acrescentou Wasantos, que disse acreditar que esses "rolezinhos" sejam bem menos graves dos que as manifestações que interditam a avenida Paulista, na região central de São  Paulo

Jovens causam tumulto em shopping de Guarulhos

Quanto à proposta de colocar PMs em shopping centers, Max Maximo acha que é "erradíssimo". Segundo esse internauta, os donos de shoppings têm de contratar serviço de segurança privada, não usar a segurança pública. "A policia deve estar nas ruas, fazendo suas rondas ostensivas".

A mesma opinião é partilhada pela internauta identificada como "Mulher Honesta", que enfatiza a necessidade de polícia estar nas ruas, e não dentro de shopping centers. "Sejamos sensatos! Se os Shopping Centers não podem pagar segurança privada; que fechem as portas!."

A solução proposta por Cíntia Bertolini é a redução da maioridade penal. "Cairia drasticamente o número de assassinatos, roubos, assaltos e etc's. Redução da maioridade penal, nada mais."

Cotidiano