PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Moradores de Valinhos (SP) enfrentarão mais um ano de racionamento de água

Fabiana Marchezi

Do UOL, em Campinas (SP)

30/09/2014 17h59

A chegada do período chuvoso não deve mudar a rotina dos cerca de 117 mil moradores do município de Valinhos (89 km de São Paulo) que enfrentam racionamento de água desde fevereiro.

Para eles, a previsão é de mais um ano de rodízio pela frente. Isso porque, mesmo que volte a chover e os reservatórios atinjam seus níveis normais, a cidade também tem problemas para tratar a água.

A prorrogação do rodízio pelos próximos 12 meses foi anunciada nesta terça-feira (30) pelo Daev (Departamento de Água e Esgoto de Valinhos).

Reservatórios de água na Grande SP

Confira entre quais reservatórios se divide o abastecimento de água na Grande São Paulo

Raio-x dos sistemas

Segundo a autarquia, o rodízio trouxe um alívio no abastecimento, com a redução da oferta de água dos 37 milhões para 27 milhões de litros de água por dia, mas o município tem um deficit no tratamento de 3 milhões de litros de água ao dia.

A solução está na ampliação da ETA (Estação de Tratamento de Água) 2, que deve ser concluída até outubro de 2015, quando o racionamento será encerrado.

“Apesar do longo período de rodízio, a expectativa é de que o número de horas sem água nas torneiras seja reduzido ao longo do período de obras”, informou Luiz Mayr Neto, presidente do Daev.

Segundo o departamento, a situação é reflexo da falta de investimentos na capacidade de tratamento ao longo dos últimos anos.

“Neste período, a oferta de água não acompanhou o ritmo de crescimento da população e do desenvolvimento da cidade. Se a ETA 2 tivesse sido ampliada, de acordo com o projeto original, provavelmente os reflexos da estiagem mais severa dos últimos 100 anos não tivesse castigado Valinhos de forma tão rigorosa”, informou a autarquia.

Atualmente, a ETA 2 opera com sua capacidade total: 17.280.000 de litros de água por dia. A sua ampliação, que custará R$ 3,5 milhões em recursos bancados pela Prefeitura e pela própria autarquia, vai permitir o tratamento de 28.600.000 de litros de água por dia.

As obras devem começar em outubro e a previsão de entrada em funcionamento é de 10 a 12 meses.

Além disso, para tentar amenizar o problema, o Daev está fazendo a substituição de 12 mil hidrômetros no município.

Desde janeiro já foram trocadas 8.000 unidades e o restante será substituído até dezembro de 2015.

A autarquia foi contemplada pelo Consórcio da Bacia dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), para implantar o Plano Diretor de Perdas. Uma empresa está analisando a rede e a meta é reduzir o índice dos atuais 38% para algo próximo aos 28%, registrados há 10 anos.

Economia

Às vésperas de completar oito meses, o rodízio implantado pela Prefeitura e pelo Departamento de Águas e Esgotos de Valinhos (DAEV) em 7 de fevereiro para enfrentar a crise hídrica que assola o Estado de São Paulo já permitiu uma economia de 1,95 bilhão de litros de água.

Essa quantidade é suficiente para abastecer o município por 65 dias e se renova a cada dia, pois a água retirada dos mananciais internos é menor que a que brota das nascentes. Ao todo, Valinhos está economizando 10 milhões de litros de água por dia.

Cotidiano