Topo

Durante internação compulsória, PM mata paciente com esquizofrenia em SC

Aline Torres

Do UOL, em Florianópolis

25/07/2015 16h19

Um policial militar catarinense foi afastado de suas funções após matar um esquizofrênico durante a tentativa de internação compulsória, na última quinta-feira (23). O PM será submetido a tratamento psicológico e responderá a dois inquéritos (civil e militar).

Com 19 anos, Anderson de Matos disse à mãe que iria se enforcar. Levado a um médico, foi diagnosticado esquizofrênico, segundo contou seu pai, Antônio de Matos. Desde lá, nos últimos 13 anos, viveu uma internação por ano. Era sempre levado ao Hospital Colônia Santana, na Grande Florianópolis. Quando as crises passavam, voltava à casa dos pais, no bairro Aririú, em Palhoça (a 19 km de Florianópolis).

A última internação, em abril deste ano, não foi promissora. Não utilizando corretamente os remédios, o desequilíbrio emocional de Anderson ficou severo. Sem alternativa, sua família pediu auxílio à Justiça para uma nova internação. 

O Samu (Serviço Médico de Urgência) foi convocado e chamou a Polícia Militar para auxiliar. Quando Anderson viu a movimentação do oficial de Justiça, médicos, policiais e familiares, correu. Encurralado no final do bairro, próximo a um riacho, pegou uma barra de ferro que estava no chão e ameaçou os soldados. Neste momento, foi alvejado com seis tiros de bala de borracha e um tiro de arma letal e morreu no local.

 "Meu filho não era ruim. Ele apenas se descuidava dos remédios e tinha crises, precisava de ajuda, entende? Não era um bandido, era um doente”, disse seu pai. “Não pedimos para ele ser morto, pedimos socorro.”

O nome do soldado não foi divulgado, mas a PM comunicou que ele foi afastado para tratamento psicológico e que esta é uma conduta de praxe em casos que podem resultar em “abalo” ao profissional.

O comandante-geral da PM-SC, coronel Paulo Henrique Hemm, afirmou que este é um “caso isolado” e, que se for provado abuso, o soldado poderá ser expulso. Um inquérito foi aberto pela corporação. Paralelamente, a delegada da Polícia Civil Beatriz Ribas investiga o homicídio, mas ainda não comentará sobre o caso.

Esse é quinto assassinato neste ano que a PM-SC justifica como “caso isolado”. Um deles, a morte do surfista Ricardo dos Santos, poderá causar a quarta expulsão por letalidade de um PM nos últimos seis anos, segundo a Secretaria do Estado de Segurança Pública.

Mais Cotidiano