PUBLICIDADE
Topo

"Tenho medo do que pode ter acontecido", diz ex-mulher de motorista em MG

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Mariana (MG)

05/11/2015 23h51Atualizada em 06/11/2015 20h16

Na porta do Hospital Monsenhor Horta, em Mariana (MG), a comerciante Cleonice Maria Lucas, 35, busca informações sobre o ex-marido, Vando Maurílio dos Santos, 37. Santos é motorista de caminhão da Integral Engenharia, uma das empresas responsáveis por uma obra na barragem de rejeitos do Fundão da mineradora Samarco, que se rompeu na tarde desta quinta-feira (5)

"Ele tem duas linhas de celular. Estou tentando falar com ele desde a hora do acidente, mas não consigo. Estou com medo de que possa ter acontecido", afirmou Cleonice Lucas. Ela foi avisada do acidente por volta das 16h45.

Ela disse que não consegue informações na empresa de engenharia, na Samarco ou no hospital, para onde as vítimas estão sendo encaminhadas. "Estive no escritório da Integral, no centro, mas está tudo fechado. A prefeitura não informa nada e o hospital disse que iria soltar uma lista dos acidentados, mas até agora nada", afirmou a comerciária por volta das 23h30.

Cleonice conta que os dois filhos, de 17 e 19 anos, estavam muito nervosos com o desaparecimento do pai, e tiveram de tomar remédios para tentar dormir. "A tragédia foi grande. Só mesmo Deus agora para nos ajudar", afirmou.

Busca pelo filho desaparecido

A soldadora Gelvana Aparecida Rodrigues, 28, sentada em uma cadeira ao fundo da Arena Mariana, local que recebe os desabrigados do rompimento da barragem, não para de chorar.

Ela apenas se levanta, de vez em quando, para procurar os organizadores da ajuda aos desabrigados e perguntar se já há a divulgação de alguma lista de feridos ou desaparecidos, mas a resposta é sempre a mesma: "não".

Volta para a cadeira e seu choro aumenta. Rodrigues procura saber o paradeiro do filho, Thiago Damasceno Santos, 7, desde o meio da tarde de quinta-feira. A criança mora com a avó, Darci Francisca dos Santos, 58, no distrito de Bento Rodrigues, que foi encoberto pela lama. O garoto teve aula em uma escola da região pela manhã e passava a tarde na casa da avó.

"Eles não estão informando nada. Cadê meu filho? Soube agora que a avó foi ferida e encaminhada para o Hospital João 23, em Belo Horizonte. Como só agora me disseram isso?", questiona a soldadora.

Lama invadiu bairros

O rompimento das barragens da mineradora Samarco Fundão, no subdistrito de Bento Rodrigues, em Mariana (a 115 km de Belo Horizonte, em Minas Gerais), aconteceu por volta das 16h. Pelo menos uma pessoa morreu.

Um homem foi levado para o Instituto Médico Legal da cidade. O outro, também de um adulto, ainda está no distrito. O número de vítimas pode subir, pois há muitas pessoas soterradas.

O hospital Monsenhor Horta, em Mariana, confirma ter recebido outras quatro vítimas com vida, que passavam bem. 

Após o rompimento das barragens, a lama invadiu o subdistrito de Bento Rodrigues e atingiu a região de Paracatu Baixo.

As famílias que deixaram as duas áreas estão sendo levadas para a quadra de esportes de Mariana. De acordo com a Polícia Militar de Ouro Preto, o número de desabrigados deve chegar às centenas. 

Na manhã desta sexta-feira (6), o governador Fernando Pimentel (PT) e o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, devem visitar a cidade e vistoriar os estragos. 

Cotidiano