Diego Herculano/AFP

Violência no Rio

Carlos, Cleiton, Roberto, Wilton e Wesley: quem são os mortos pela PM do RJ

Paula Bianchi

Do UOL, no Rio

  • Arte/UOL

    Cleiton, Carlos Eduardo, Roberto, Wesley e Wilton foram criados juntos no Morro da Lagartixa, na zona norte do Rio

    Cleiton, Carlos Eduardo, Roberto, Wesley e Wilton foram criados juntos no Morro da Lagartixa, na zona norte do Rio

Wilton, 20, iria se formar em um mês em um curso técnico em administração. Wesley, 25, criava o filho de dois anos com a ajuda da mãe. Roberto, 16, queria ser desenhista e trabalhar com publicidade. Já Cleiton, 18, e Carlos Eduardo, 16, sonhavam em entrar para a Marinha. No sábado (28), saíram juntos para pegar um lanche perto de casa, em Costa Barros, na zona norte do Rio de Janeiro. Comemoravam o primeiro salário de Roberto. No caminho, cruzaram com uma patrulha da PM que atirou mais de 50 vezes contra o carro em que estavam.

Os cinco foram criados juntos no Morro da Lagartixa, parte do Complexo de Favelas da Pedreira, uma das regiões mais conflagradas da cidade, localizada a cerca de 40 quilômetros do bairro de Ipanema, na zona sul. Gostavam de jogar bola e videogame e eram descritos pelos amigos como garotos brincalhões, "meninões", nas palavras do chefe de Wesley.

Reprodução/Facebook
Wesley: trabalhava como servente com o pai

Filho único, Wesley Castro Rodrigues era o que tinha menos tempo para ver os amigos. Subia cedo na segunda-feira para Petrópolis, na região serrana, onde trabalhava como servente de obras ao lado do pai, e voltava apenas na sexta-feira à noite. Ele criava o filho, fruto de um relacionamento com uma ex-namorada, com a ajuda da mãe, Rosilene Rodrigues, em Duque de Caxias, município vizinho ao Rio.

Reprodução/Facebook
Wilton: havia herdado o Palio branco do pai

Wilton Esteves Domingos Júnior, o Júnior, se considerava irmão de Wesley – sua mãe chegou a namorar o pai do jovem. Era ele quem dirigia o carro, um Pálio branco, herança do pai, morto há pouco mais de um ano devido a problemas de saúde. Em um mês, ele receberia o diploma de um curso técnico de administração e contabilidade. "Ele estava felizão, já tinha até feito as fotos com a beca", lembra o primo, Adenis Oliviera, 21.

Reprodução/Facebook
Beto: comemorava o primeiro salário

Assim como Wilton, Roberto de Souza Penha também estudava administração. O curso de auxiliar era pago pelo supermercado em que ele havia começado a trabalhar há um mês. Ao receber o primeiro contracheque de R$ 400, fez questão de chamar os amigos para sair. Os cinco passaram a tarde no Parque de Madureira, também na zona norte da cidade. Mãe de Roberto, Joselita de Souza diz que ele passava o tempo todo desenhando e queria fazer publicidade. "Ele entendia tudo de computador, desenhava desde criança. Os bonecos dele ganhavam vida."

reprodução/Facebook
Carlos: ajudava a mãe a cuidar da irmã

Carlos Eduardo da Silva e Cleiton Corrêa de Souza sonhavam em viajar. Carlos havia terminado há pouco tempo um curso de técnico de Petróleo e Gás. Quando não estava na escola, ajudava a mãe a cuidar da irmã mais nova, de cinco anos. Ele queria estudar inglês e tentar entrar para a Marinha.

Reprodução/Facebook
Cleiton: queria ser marinheiro

Cleiton também se via em alto-mar. Planejava se alistar nas Forças Armadas, para tentar a vida de marinheiro, ainda em janeiro. Enquanto isso, fazia bicos como auxiliar de entregas em caminhões. Morava com a mãe e mais quatro de seus seis irmãos.

Em depoimento, os PMs disseram que foram checar uma denúncia de roubo de caminhão quando criminosos atiraram contra eles. Segundo a Polícia Civil, no entanto, não foi encontrada nenhuma marca de tiros de dentro para fora do carro. Os corpos dos jovens, tombados para dentro do veículo, também contradizem a versão.

Reprodução/Facebook
Desenho feito por Roberto, que sonhava em ser publicitário

Os soldados Thiago Resende Viana Barbosa e Antônio Carlos Gonçalves Filho, o sargento Márcio Darcy Alves dos Santos e o cabo Fabio Pizza Oliveira da Silva, lotados no 41º Batalhão da Polícia Militar (Irajá, zona norte), estão presos desde o começo da semana pelas supostas práticas de homicídio qualificado e fraude processual.

Além de homicídio, os policiais são acusados de fraude processual por suspeita de terem tentado modificar a cena do crime, ato do qual teria participado o quarto policial, que também foi preso. O comando da Polícia Militar exonerou o comandante do 41º Batalhão, tenente-coronel Marcos Netto, "em razão dos últimos lamentáveis acontecimentos envolvendo policiais sob o seu comando".

Durante o enterro de quatro dos cinco jovens, realizado na segunda-feira (30), familiares e amigos seguraram cartazes com os nomes de cada um deles, uma bandeira do Brasil com 50 perfurações, em alusão ao número de tiros disparado contra o carro em que os jovens estavam, e uma pequena placa com a afirmação "A Síria é aqui". Mãe de Cleiton, Mônica Santana Correa precisou ser acudida diversas vezes durante a cerimônia. Com a voz rouca de tanto gritar, questionava: "Que defesa eles tiveram?".

José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo
A PM disparou mais de 50 vezes contra o carro em que os jovens estavam

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos