Forças Armadas ficarão no ES por "tempo necessário" para retomar ordem, diz ministro

Do UOL, em São Paulo

  • Agência Brasil - 5.out.2016

    O ministro da Defesa, Raul Jungmann

    O ministro da Defesa, Raul Jungmann

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse nesta segunda-feira (6) em Vitória que militares das Forças Armadas ficarão no Espírito Santo durante o "tempo necessário" para que a ordem no Estado seja restabelecida.

"Permaneceremos o tempo necessário para que a ordem seja recuperada", afirmou em entrevista coletiva. "Para as Forças Armadas, missão dada é missão cumprida."

Mais cedo, o governo federal autorizou o envio de integrantes das Forças Armadas e da Força Nacional para o Espírito Santo, que enfrenta uma onda de insegurança na qual mais de 60 pessoas foram assassinadas desde sábado.

Foi neste dia que teve início um movimento de mulheres de policiais em vários pontos do Estado. Elas estão acampadas em frente a quartéis em protesto por melhores salários e condições de trabalho para a classe. Com isso, policiais estão sendo impedidos de ir para as ruas.

Jungmann não comunicou quantos militares farão o policiamento nas ruas do Estado, mas disse que, até amanhã, o efetivo seria "compatível com as necessidades". Por volta das 20h, o governo capixaba anunciou que, até terça, 1.200 militares das Forças Armadas farão o patrulhamento em todo o Estado. Antes, o Ministério da Justiça anunciou o envio de 200 homens da Força Nacional para o Espírito Santo.

Segundo o ministro da Defesa, as tropas virão do Rio de Janeiro e de outros Estados. No fim da tarde desta segunda, o governo capixaba divulgou imagens de militares do 38º Batalhão de Infantaria do Exército, em Vila Velha, em preparação para patrulhar as ruas. 

Movimento é inconstitucional, diz governador

O governador em exercício, César Colnago (PSDB), também participou da mesma entrevista coletiva. Ele considerou o movimento que tirou os policiais das ruas como "claramente inconstitucional".

A Justiça do Espírito Santo declarou ilegal o movimento dos familiares dos PMs. Segundo o desembargador Robson Luiz Albanez, a proibição de saída dos policiais caracteriza uma tentativa de greve por parte deles. A Constituição não permite que militares façam greve. As associações que representam os policiais deverão pagar multa de R$ 100 mil caso a decisão seja descumprida.

A ACS-ES (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Espírito Santo) afirma não ter relação com o movimento. De acordo com o cabo Thiago Bicalho, do 7º Batalhão da Polícia Militar do Estado e diretor Social e de Relações Públicas da associação, os policiais capixabas estão há sete anos sem aumento, e há três anos não se repõe no salário a perda pela inflação.

Por enquanto, a capital capixaba, Vitória, vive uma espécie de toque de recolher: as aulas foram suspensas em escolas públicas e particulares, o comércio está fechado, os ônibus pararam de circular a partir das 16h e a administração municipal cancelou o expediente nas suas repartições. Vídeos de saques a lojas em diversas cidades do Estado foram publicados em redes sociais.

Segundo o secretário estadual de Segurança Pública, André Garcia, as negociações sobre salários e condições de trabalho de policiais serão feitas apenas quando o patrulhamento na rua for retomado e a situação estiver controlada.

Com a polícia fora das ruas, em apenas três dias houve 62 homicídios no Espírito Santo, segundo o Sindipol-ES (Sindicato de Policiais Civis do Espírito Santo). Este número é equivalente a 6,41 vezes o registrado, em média, em igual intervalo de tempo em 2016. O governo ainda não divulgou um balanço oficial do número de homicídios nos últimos três dias. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos