Habib's afasta funcionários suspeitos de agredir menino que morreu em SP

Daniela Garcia

Do UOL, em SP

O Habib's afastou funcionários suspeitos de agredirem o garoto João Victor, 13, que morreu no domingo (26) após uma confusão na lanchonete na Vila Nova Cachoeirinha, zona norte de São Paulo. A empresa informou que decidiu pelo afastamento depois da exibição de uma reportagem da Band desta quinta-feira (2). A TV divulgou imagens do momento em que o adolescente foi perseguido pelos funcionários e jogado contra o chão.

João Victor teve uma parada cardiorrespiratória diante de funcionários do Habib's, no último domingo (26). A Polícia Civil investiga o caso.

"Diante das imagens divulgadas pela imprensa hoje, comunica que decidiu afastar os colaboradores envolvidos até que tudo seja elucidado", informou o Habibs, por meio de nota, sem dizer quantos empregados foram afastados nem divulgar seus nomes.

As imagens registraram a movimentação na rua em frente à lanchonete. Na gravação, João Victor é visto segurando um pedaço de pau, como haviam afirmado membros da empresa à polícia. Em determinado momento, o garoto atravessa a rua, correndo, seguido por dois funcionários do Habib's. Após alguns instantes, eles voltam para o lugar de origem, arrastando o menino e o jogando com força contra o chão da rua. 

Na nota, o Habib's alega que o afastamento foi feito por uma "questão de princípio humano". A empresa afirma ainda estar "abalada com tudo que ocorreu" e diz que repudia todo e qualquer ato de violência física ou moral. 

A rede de restaurante voltou a dizer que está colaborando na busca de informações que ajudem as autoridades a esclarecer o caso. "Assim como toda sociedade, o Habib's aguarda o laudo completo do IML [Instituto Médico Legal] que esclarecerá o ocorrido", pontuou.

Segundo a nota, o Habib's está prestando auxílio à família. O comunicado, porém, não descreve qual o tipo de ajuda.

AO UOL, Marcelo Fernandes de Carvalho, pai de João Victor, disse que o filho nunca foi diagnosticado com problemas no coração. "A gente só quer a verdade. Ele nunca teve problema no coração, era saudável. Ele ia no Habib's para pedir um dinheirinho, não ia lá para roubar", afirmou.

Inconformado com a morte do filho, Carvalho não acredita na versão dos funcionários do Habib's, que relataram que o menino teve um mal súbito depois de sair correndo ao ser repreendido. O pai defende que ele morreu em decorrência de agressão. Ele confirma que João costumava ir ao local para pedir dinheiro e comida. "Ele tinha vontade de comer uma coisa melhor."

O garoto morava com o pai desde os 5 anos, quando Carvalho e a mãe do garoto se separaram.

Entenda o caso

João Victor teve uma parada cardiorrespiratória diante de funcionários do Habib's, no último domingo (26).

De acordo com o Boletim de Ocorrência, registrado às 4h50 de segunda (27), a Polícia Militar foi acionada para atender uma ocorrência de "agressão" no restaurante. Chegando ao local, os policiais nada encontraram, mas funcionários da unidade informaram que o adolescente estava "importunando os clientes, inclusive com um pedaço de madeira". Na tentativa de repreendê-lo, o menino "saiu correndo e, neste instante, teve um mal súbito". 

Uma vizinha de Marcelo Fernandes de Carvalho, pai do garoto, que disse ter testemunhado a ação dos funcionários do restaurante, prestou depoimento ontem (1º) no 28º Distrito Policial (Freguesia do Ó) e afirmou ter visto quando João Victor foi agredido por dois funcionários da lanchonete.

"O segurança pegou João Victor pelo pescoço desferindo um violento soco contra sua cabeça", relata o documento. "No caminho, a poucos metros do Habib's, sendo segurado pelo gerente e pelo segurança, João Victor desmaiou". A testemunha se aproximou e percebeu que o menino estava "espumando" pela boca, inconsciente.

Uma equipe do Samu o socorreu, mas, antes de chegar no pronto-socorro do hospital Mandaqui, ele teve uma parada respiratória e morreu. Aparentemente, não foram encontradas marcas de agressão em João Victor. O corpo do jovem passou por exames no IML (Instituto Médico Legal), mas o resultado do laudo ainda não foi divulgado.

Apesar de não acreditar no argumento de que não houve agressão, o pai do adolescente acredita que, mesmo que ele não tenha sido agredido, as ameaças sofridas por João podem ter contribuído para a morte. "Ele pode ter morrido de susto também na hora que correram atrás dele. Foi tentar correr, ficou todo mole e caiu."

O pai relatou também que o filho passava por um tratamento no Caps (Centro de Atenção Psicossocial) por conta do envolvimento com lança-perfume, mas que ele tinha melhorado bastante desde o início. Ele não soube precisar há quanto tempo João Victor estava sendo acompanhado por profissionais.

"Lá ele brincava, tinha médicos que davam conselho para ele. Todo mundo gostava dele", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos