Topo

Confronto entre criminosos armados deixa rastro de violência em favela do Rio

26.mar.2018 - Carro foi atingido durante confronto na favela Bateau Mouche, na Praça Seca - OSE LUCENA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
26.mar.2018 - Carro foi atingido durante confronto na favela Bateau Mouche, na Praça Seca Imagem: OSE LUCENA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, no Rio

26/03/2018 14h43

Homens armados com fuzis e coletes balísticos protagonizaram na manhã desta segunda-feira (26) um intenso confronto com criminosos do Bateau Mouche, favela situada na Praça Seca, na zona oeste do Rio de Janeiro. A região tem sido cenário de uma disputa entre grupos de milicianos e traficantes. 

O tiroteio deixou um rastro de violência na localidade. Carros de moradores e casas ficaram com marcas de bala. Até o começo da tarde de hoje, não havia registro de feridos, de acordo com a Polícia Militar.

26.mar.2018 - Após confronto, cápsulas em balas em rua do bairro da zona oeste - JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
26.mar.2018 - Após confronto, cápsulas em balas em rua do bairro da zona oeste
Imagem: JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O bando armado chegou à comunidade logo no começo da manhã. Imagens aéreas feitas pela "TV Globo" mostram o momento em que os criminosos efetuaram vários disparos em direção ao interior da favela --onde há presença de milicianos e de traficantes. A PM não esclareceu as circunstâncias do confronto.

PM realiza ação em favela da zona oeste após confronto entre grupos armados - José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo
PM realiza ação em favela da zona oeste após confronto entre grupos armados
Imagem: José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo

Cerca de 20 minutos depois, os homens que atacavam o Bateau Mouche fugiram para uma comunidade vizinha, a da Chacrinha. O local é controlado por um grupo miliciano rival ao que atua no Bateau Mouche. Durante o deslocamento, os criminosos pararam carros que trafegavam pela rua Cândido Benício, situada entre as duas favelas. Motoristas foram ameaçados.

O 18º BPM (Jacarepaguá) informou ter sido acionado pela central telefônica da corporação e enviado equipes para o local. Há uma operação em andamento. O Bope (Batalhão de Operações Especiais) reforça o patrulhamento na região. Três carros roubados utilizados na ação criminosa foram recuperados posteriormente.

Mortes na Rocinha 

Um homem morreu após ser baleado na manhã desta segunda-feira (26) na favela da Rocinha, zona sul do Rio, durante operação de policiais do Bope. Segundo a polícia, o suspeito morto estava com um fuzil calibre 5,56, que foi apreendido.

O confronto entre policiais e bandidos começou na localidade conhecida como 199.

A operação acontece dois dias depois de oito pessoas morrerem na favela durante uma ação do Batalhão de Choque da Polícia Militar.

Chacina em Maricá

A Divisão de Homicídios de Niterói e São Gonçalo investiga a participação de milicianos no assassinato de cinco jovens neste domingo (25) em Maricá, na região metropolitana do Rio de Janeiro. De acordo com a DH, essa é a principal linha de investigação. No entanto, "outras hipóteses não foram descartadas", segundo informou a Polícia Civil nesta segunda.

Os cinco jovens foram mortos a tiros dentro do Conjunto Residencial Carlos Marighella, unidade do programa "Minha Casa, Minha Vida", em Itaipuaçu, um dos distritos da cidade de Maricá. As vítimas foram identificadas como Sávio de Oliveira, 20; Matheus Bittencourt, 18; Marco Jhonata, 17; Matheus Baraúna, 16, e Patrick da Silva Diniz.

Mais Cotidiano