Topo

Surfista salva casal de afogamento com prancha do filho de cinco anos em SP

Reprodução/Facebook
Casal de turistas de Araraquara foi salvo por surfista no Guarujá, litoral de São Paulo Imagem: Reprodução/Facebook

Renan Prates

Colaboração para o UOL

12/04/2018 12h12

Pedro Ivo Simione, 41, surfa há 30 anos no Guarujá, litoral de São Paulo. Nesta quarta-feira (11), porém, ele voltou para casa orgulhoso, com a sensação de dever cumprido e uma história diferente para contar. Com a prancha de seu filho Heitor, o surfista conseguiu salvar um casal de Araraquara de afogamento na praia da Enseada. Não havia tempo para esperar os salva-vidas da praia, que só chegaram ao local no fim do salvamento.

Leia também

Quis o destino unir os caminhos do casal de Araraquara, de Simione e do garotinho de apenas cinco anos. O surfista contou ao UOL que sua intenção era surfar na praia de Pitangueiras, mas foi convencido pelo seu filho a mudar o destino para a Enseada. “Cheguei na praia às 13h30 ou 14h. Queria ir para Pitangueiras, mas meu filho disse: 'papai, não quero, quero ficar aqui'. Ainda falei: 'não, vamos para lá, aqui está com muita correnteza'. Mas meu filho me convenceu a ficar na Enseada”.

Logo que chegou perto do mar, Simione percebeu uma movimentação estranha na água. “Identifiquei uma situação de risco. Falei pro meu filho: 'tira o leash (corda de segurança) que o papai vai salvar vidas'. Ele me disse: 'papai, vou chamar o salva-vidas'. Só que eu demorei vinte minutos para salvar o casal e o salva-vidas só apareceu quando estávamos quase na beirada. A sorte é que apareceu uma viatura dos Bombeiros e uma moça correu para chamar. Foi muito punk”, relembra o surfista.

Simione disse que já “perdeu as contas” de quantas vidas salvou nestes 30 anos de surfe. Ele acredita que os surfistas cumprem um papel vital de auxílio aos salva-vidas para evitar afogamentos nas praias. “Muitas vezes os salva-vidas não conseguem chegar a tempo na zona de arrebentação, mas nós estamos lá”.

Este salvamento, porém, vai ficar marcado na vida do surfista, pois foi o primeiro ao lado do seu filho, que teve um papel fundamental no caso. “Me surpreendi com a atitude dele [de buscar ajuda com um salva-vidas]. Imagina a minha preocupação dupla, porque ele voltou sozinho para buscar ajuda e eu fui atrás do casal”, contou.

Simione contou que o registro fotográfico após o salvamento foi feito a pedido do próprio casal. “Já estava na areia quando o casal veio me agradecer e pedir para tirar uma foto. Fiquei emocionado. Foi muito gratificante, ainda mais porque no final de semana anterior tivemos três óbitos por afogamento na mesma praia”, contou o surfista, que não falou mais com o casal desde então. “Na hora, nem pensei em perguntar o nome e pedir contato. Estou muito feliz e agradeço a Deus por tudo ter dado certo”.