Topo

Mulher finge ter câncer terminal e dá golpe de R$ 87 mil para financiar festas e viagens

Reprodução/Facebook
Hanna Dickenson conseguiu dinheiro ao relatar aos pais ter só algumas semanas de vida Imagem: Reprodução/Facebook

Colaboração para o UOL

11/04/2018 12h09

Uma jovem australiana foi presa após fingir ter câncer em estado terminal para pegar dinheiro de familiares e amigos. Ao todo, Hanna Dickenson, 24, arrecadou cerca de R$ 87 mil para “fazer um tratamento fora do país”. Ela irá passar três meses na cadeia e prestar serviços comunitários pelo período de um ano.

Tudo começou em 2013, quando Hanna tinha apenas 19 anos. A jovem conversou com seus pais e disse que estava muito doente: fora diagnosticada com Leiomiossarcoma, um raro tumor canceroso.

Leia também

Para a família, ela argumentou que já havia tentado tratamento em dois dos melhores hospitais de Melbourne, Epworth Richmond e Peter MacCallum. Como não obteve sucesso, a sugestão dos médicos seria um tratamento a ser realizado no exterior.

Como não tinham dinheiro necessário para arcar com os supostos custos da viagem e do tratamento médico, os pais de Hanna decidiram pedir ajuda a vizinhos e amigos. Ao todo, a família conseguiu arrecadar 41.770 dólares australianos (pouco mais de R$ 87 mil nos valores da época).

O dinheiro veio de diversas fontes. Um casal de vizinhos, Rachel e Nathan Cue, fez uma campanha dentro da própria família para conseguir o dinheiro.

“Nós estávamos na mesa de jantar e a mãe de Hanna veio nos falar que ela tinha apenas seis semanas de vida, por isso eles precisavam de 40 mil dólares australianos imediatamente”, contou Rachel à imprensa local.

Só o casal Cue foi responsável pela arrecadação de 20 mil dólares australianos (cerca de R$ 42 mil na época) em quatro transações diferentes. Eles acreditavam que a conta pertencia a um médico alemão, mas era, na verdade, de Hanna.

Outro doador, responsável pelo pagamento de 11 mil dólares australianos (R$ 23 mil), engajou-se na causa porque ele mesmo havia acabado de se ver livre de um câncer.

Hanna, no entanto, foi descoberta pela própria displicência nas redes sociais. A jovem documentou publicamente sua vida de bebida e festas, assim como viagens para Tailândia e Europa.

Assim que o casal Cue entendeu o que havia acontecido, procurou pela polícia. “Comecei a fazer meu dever de casa”, contou Nathan à imprensa australiana. “Gastei muito tempo documentando tudo para mostrar que era golpe e fui às autoridades.”

O julgamento se arrastou até 2018. Bev Lindsay, advogada de defesa, tentou defender sua cliente sob o argumento de que foram os pais dela que foram à comunidade em busca do dinheiro e não ela.

Lindsay também afirmou ainda que, atualmente, Hanna é corretora imobiliária e uma sentença poderia atrapalhar seus negócios.

O juiz David Starvaggi, da Corte de Melbourne, negou os argumentos. Segundo o magistrado, ela “feriu um dos sentimentos mais profundos da natureza humana”.

Hanna confessou o crime frente à Justiça australiana na última terça-feira (10) e foi considerada culpada em sete acusações de fraude. Ela passará três meses na cadeia e prestará um ano de serviços comunitários.

“A confiança social da população e o desejo de ajudar das pessoas foram violados. Estes são cidadãos que trabalharam duro para conseguir o que têm”, afirmou Starvaggi.