PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Moradores registram "tornado de fogo" em Minas Gerais; especialista explica fenômeno

Fernando Molina

Colaboração para o UOL

21/09/2018 17h52

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra um funil de ar tomado por fogo arrastado pelo vento na palhagem de uma fazenda em Nova Ponte, região do Alto Paranaíba, em Minas Gerais. As imagens foram feitas por um funcionário do local em agosto, mas foram divulgadas na última semana e vêm sendo identificadas como um "tornado de fogo". 

Responsável pelo 8º Batalhão de Bombeiros Militar de Uberaba, que atende a região, o tenente-coronel Anderson Passos de Souza informou ao UOL que o fenômeno durou apenas alguns segundos. "É difícil de registrar, porque é uma coisa muito rápida, mas é até comum presenciarmos este tipo de fenômeno em incêndios florestais. Costuma acontecer mais em áreas abertas, como no vídeo", disse.

Augusto José Pereira Filho, professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP (Universidade de São Paulo) analisou as imagens e apontou confusão na identificação da circulação de ar como um tornado. "Na verdade, este não é um tornado, que é um fenômeno associado a uma tempestade. Neste caso, não há tempestade, então o que ocorre é um redemoinho, já que se trata de uma área seca, terreno com alta temperatura, em que o ar quente ascende e gera uma torção, este formato que as imagens mostram", afirmou o especialista. 

Leia mais:

De acordo Pereira Filho, por não haver nenhuma construção ou qualquer objeto no mesmo plano da filmagem, é difícil estimar as dimensões da formação de ar. Entretanto, o que o professor consegue precisar é que a ocorrência do redemoinho em uma região propensa a incêndios – como a do vídeo – aumenta o grau de risco às pessoas. "Se o redemoinho fosse só de poeira, não apresentaria muito risco, mas da forma que foi, passa a ser muito perigosa uma aproximação, seguramente a temperatura interna ultrapassa os 500º C", explicou. "A menos que um caminhão-pipa dos bombeiros consiga jogar água à distância, uma torção de ar como esta, em teoria, tem como se sustentar enquanto seguir em terreno quente e atrair oxigênio."

A situação, apesar de perigosa, não deixou feridos. A orientação, de acordo com o tenente-coronel do Corpo de Bombeiros, é manter distância, pois o redemoinho "tem uma movimentação muito imprevisível, errática, pode mudar de direção muito rapidamente, aumentando o risco de uma aproximação".

Cotidiano