PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

PF prende sócio de empresa investigada por distribuir propina a políticos

Traficante Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, que mudou de rosto para fugir - Divulgação/PF
Traficante Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, que mudou de rosto para fugir Imagem: Divulgação/PF

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

22/11/2018 09h01Atualizada em 22/11/2018 11h48

A PF (Polícia Federal) deflagrou na manhã desta quinta-feira (22) a Operação Sem Saída, que visa desarticular a quadrilha do narcotraficante Luiz Carlos da Rocha, conhecido como “Cabeça Branca” e “embaixador do tráfico”.

Uma das pessoas presas pela operação é o empresário Mauro Laurindo da Silva, sócio de uma empresa em Mato Grosso investigada pelo suposto pagamento de propina a políticos e que recebeu repasses de doleiros ligados ao traficante. A ação de hoje mira um patrimônio avaliado em R$ 100 milhões.

Cabeça Branca é apontado como um dos maiores traficantes da América do Sul. Mais de cem agentes cumprem mandados de prisão e de busca e apreensão no Paraná e em Mato Grosso. 

A reportagem não conseguiu localizar a defesa de Silva.

Leia mais:

A operação desta quarta-feira é um desdobramento das operações Spectrum e Efeito Dominó, que investigam a organização criminosa liderada por Cabeça Branca. Ela foi coordenada pelo Gise (Grupo de Investigações Sensíveis) da PF de Londrina.

Para o delegado Elvis Secco, um dos coordenadores da operação, o foco nas estruturas financeiras do tráfico de drogas deverá ser o padrão durante a gestão do futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. “Temos a intenção de que [com o novo comando] toda a PF, tanto as unidades especiais quanto as que trabalham com o tráfico de drogas, tenham como modelo as investigações. Direcionar sempre na questão patrimonial”, afirmou.

O foco nos crimes de lavagem de dinheiro praticados por facções criminosas foi mencionado por Moro em entrevista coletiva na última terça-feira (20).

Cabeça Branca foi preso em 2017 e, desde então, a PF tem concentrado suas investigações na estrutura financeira utilizada pelo traficante para lavar o dinheiro oriundo do comércio de drogas.

De acordo com as investigações, ele fornecia droga produzida no Paraguai e na Bolívia para as principais facções criminosas do país e para o exterior. A operação desta quarta-feira tem como foco as atividades de tráfico e lavagem de dinheiro. 

Em maio deste ano, a PF prendeu sete doleiros suspeitos de terem atuado para Cabeça Branca.

À época, a PF afirmou que havia fortes indícios de que parte do dinheiro lavado por Cabeça Branca via doleiros poderia ter abastecido o pagamento de propina de políticos.

Foco em empresa suspeita de repassar dinheiro a políticos

A prisão de Mauro Laurindo da Silva foi confirmada ao UOL por uma fonte ligada à investigação. Ele foi preso em Londrina. Em agosto deste ano, a reportagem do UOL adiantou que a empresa havia entrado no radar da PF.

Os investigadores constataram que a empresa recebeu R$ 238 mil em depósitos feitos pelo doleiro Carlos Alexandre da Rocha, o Ceará, a pedido de Cabeça Branca. Desde então, a PF passou a investigar as relações entre o traficante e empresa.

A partir de então, a empresa, que já vinha sendo investigada por autoridades locais pela suposta distribuição de propina a políticos de Mato Grosso, passou a ser também alvo de investigações para apurar suas ligações com o narcotráfico. 

À época, Laurindo disse que não conhecia os depósitos identificados pela PF e que não tinha relação com Cabeça Branca.

A ligação entre Cabeça Branca e o estado de Mato Grosso vai além dos depósitos feitos à Fama Serviços Administrativos.

Em abril deste ano, Cabeça Branca foi condenado a cinco anos e dois meses de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro praticado para a compra de uma fazenda no interior do estado.

A PF afirma que o traficante usava propriedades rurais próximas ao Paraguai e à Bolívia para receber a mercadoria em voos clandestinos. Depois de descarregada, a droga era então transportada em caminhões em direção a galpões em São Paulo.

Cotidiano