Topo

Ataque em Campinas: "Foram mais de 20 tiros", diz padre que rezava missa

Mirthyani Bezerra

Do UOL, em São Paulo

11/12/2018 16h06Atualizada em 11/12/2018 22h03

O padre Amauri Thomazzi fez um depoimento em vídeo na tarde desta terça-feira (11) para tranquilizar os fiéis após um homem entrar na Catedral Metropolitana de Campinas (a 100 km de São Paulo) e disparar diversos tiros. Segundo a PM (Polícia Militar), cinco pessoas morreram (incluído o atirador, Euler Fernando Grandolpho, que se matou) e quatro ficaram feridas.

Thomazzi celebrava uma missa no momento em que ocorreu a tragédia. Em um depoimento breve e emocionado, o padre relatou que foram disparados mais de 20 tiros contra os fiéis que estavam na igreja.

"Eu rezei a missa das 12h15, no final da missa uma pessoa entrou atirando, fez algumas vítimas e ninguém pôde fazer nada, ajudar de forma nenhuma. Eu peço a oração de todos, estamos todos bem", conta o pároco bastante emocionado.

Ele contou que depois de atirar nas pessoas, Grandolpho se matou. "Ele se matou na situação, ele atirou nas pessoas, foram mais de 20 tiros aqui dentro".

Veja toda a ação do atirador dentro da igreja

TV Folha

O padre pediu a seus seguidores que rezem pelo atirador e pelas demais vítimas do ataque.

"Rezemos por ele e por aqueles que foram feridos, tem vítimas fatais. Rezemos a Nossa Senhora Imaculada que interceda por essa catedral e por essas famílias", disse.

Padre Amauri Thomazzi relatou que não há como entrar ou sair da igreja - que está isolada pela polícia - e que não sabe como ficará a programação da Catedral nos próximos dias.

A Arquidiocese de Campinas lamentou, por meio de um post no Facebook, e afirmou que a igreja está fechada para atendimento das vítimas e investigação da polícia. "Contamos com as orações de todos neste momento de profunda dor", escreveu a instituição em nota.

A catedral fica na principal área comercial da cidade, próxima à rua Treze de Maio. Em frente à catedral, o major Paulo Monteiro, do Corpo de Bombeiros, declarou que a principal preocupação agora é o atendimento aos sobreviventes.

"Pelo horário, havia um fluxo de pessoas, tinha bastante gente na igreja. Os socorros já foram feitos, e os óbitos, detectados", disse o major.

Mais Cotidiano