PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Pilotos: vídeo indica pane e tentativa de pouso de helicóptero com Boechat

Marcela Leite

Do UOL, em São Paulo

12/02/2019 23h29

Nesta terça-feira (12), a Polícia Civil divulgou imagens de câmeras de segurança da concessionária CCR do momento do acidente de helicóptero que vitimou o jornalista Ricardo Boechat e o piloto Ronaldo Quattrucci. Especialistas em aviação consultados pelo UOL analisaram o vídeo e falaram em uma possível pane no motor e em manobras para tentar um pouso seguro.

Para Miguel Ângelo Rodeguero, piloto há 47 anos e diretor de segurança operacional da Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves (Aopa) do Brasil, é possível ver que o helicóptero não está em queda livre, mas descendo e fazendo uma autorrotação, manobra utilizada para pousos de emergência e "com índice de fatalidade próximo de zero".

"Quando o motor para de impulsionar a pá, só tem uma forma de as pás continuarem virando, que é manter a velocidade. Para isso, a aeronave tem de descer", explica.

Rodeguero diz que, aparentemente, havia altura suficiente e velocidade para que a manobra fosse feita, "mas uma vez que se estabelece o local de pouso, é difícil mudá-lo".

O local de pouso estabelecido foi um trecho da rodovia Anhanguera -- onde o helicóptero acabou atingido por um caminhão.

"É muito pouco tempo entre o momento da pane e o pouso, dependendo da altura que está, são apenas trinta segundos para chegar ao chão. Acredito que, se houve escolha, foi o melhor lugar que ele pôde escolher no momento", avalia.

O especialista diz que os helicópteros voam em alturas relativamente baixas em São Paulo, a 150 metros do chão. Mais acima, passam aviões.

Rodeguero pontua que, normalmente, em uma situação como a desta segunda-feira na Anhanguera, a opção de pousar na alça de acesso "parece adequada, já que há menos movimento que na rodovia"."Do jeito que o helicóptero vinha, ele pousaria, mas provavelmente o caminhão não viu a aeronave e houve a colisão", explica o especialista. 

Diante das imagens, o analista de acidentes aéreos Carlos Camacho também concorda que houve uma manobra de autorrotação, após uma possível pane do motor. "A decisão do piloto de pousar pode ter sido derradeira, talvez ele não tivesse mais por onde ir, pode não ter visto o caminhão vindo", explica.

Camacho questiona a escolha do piloto. "Se você precisar pousar numa rodovia, jamais vai pousar com veículos vindo em sua direção, vai escolher o sentido que os carros estão indo, com os veículos ficando atrás de você e podendo frear", diz. "Pode ter sido um misto de fator humano, não escolhendo o melhor lugar para pousar, e problema material."

Camacho também ressaltou que houve 21 episódios com o mesmo modelo do helicóptero que levava Boechat nos últimos 10 anos. "Apesar de ser um helicóptero considerado seguro, a questão dos acidentes tem de ser analisada. Que prevenção foi feita pela Anac nesses últimos 10 anos?", questiona.

Cotidiano