PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Rio: colisão entre trens deixa feridos e maquinista preso em ferragens

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

27/02/2019 07h44Atualizada em 27/02/2019 13h47

Resumo da notícia

  • Acidente ocorreu às 6h50 e deixou ao menos nove feridos
  • Sete foram levados ao hospital Souza Aguiar e outra vítima, para o Salgado Filho
  • Maquinista de um dos trens ainda está preso nas ferragens
  • SuperVia diz que investigará "causas com rigor"

Dois trens com passageiros do ramal Deodoro bateram na estação de São Cristóvão, na zona norte do Rio, às 6h50 de hoje. Segundo o Corpo de Bombeiros, o acidente deixou ao menos nove feridos, sendo que o maquinista de um dos trens está preso nas ferragens há mais de seis horas.

Os bombeiros, que trabalham no resgate, estão provendo oxigênio para o maquinista. Ele permanece lúcido e conversando com a equipe de resgate. Imagens exibidas pela "Globo News" mostraram que a cabeça da vítima foi envolta em ataduras.

Bombeiros de três quartéis foram acionados para essa operação. Segundo a corporação, eles se dividem em duas frentes: uma equipe, por dentro da composição, realiza o afastamento de ferragens por meio de desencarceradores hidráulicos; outra, do lado externo, faz cortes nas ferragens com auxílio de maçarico.

O trabalho é lento, meticuloso e exige perícia técnica dos militares envolvidos. A prioridade é o suporte à vida da vítima.

Nota do Corpo de Bombeiros sobre o resgate

Sete pessoas foram levadas ao hospital Souza Aguiar (centro) e uma oitava vítima foi atendida no hospital Salgado Filho (Méier, zona norte). Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, as sete vítimas levadas para o Souza Aguiar foram atendidas com traumas leves --a identidade das vítimas não foi divulgada.

Segundo a concessionária SuperVia, responsável pela operação do sistema ferroviário no local, um trem que seguia da Central do Brasil para Deodoro colidiu com uma composição que fazia o mesmo trajeto e estava parada na estação São Cristóvão. Inicialmente, a concessionária havia informado que um dos trens estava sem passageiros, mas corrigiu a informação posteriormente, dizendo que os dois trens tinham passageiros.

Trens colidem na estação São Cristóvão, zona norte do Rio - Dikran Junior/Futura Press/Estadão Conteúdo - Dikran Junior/Futura Press/Estadão Conteúdo
27.fev.2019 - Trens colidem na estação São Cristóvão, zona norte do Rio
Imagem: Dikran Junior/Futura Press/Estadão Conteúdo

"Eu voei do banco", diz passageira

"Eu voei do banco. Fui parar no banco da frente. Achamos que tinha descarrilhado. Só que bateu um na traseira do outro. Acho que não foi pior porque só ando no último vagão", disse Isabel Cristina.

"O trem ficou parado cinco minutos com problema na porta, a porta nunca fechava, ficava apitando e de repente o outro trem veio e bateu nele", relatou o também passageiro André Luís que estava na composição que foi atingida.

De acordo com a SuperVia, os trens do ramal Deodoro estão com intervalos irregulares e não estão parando na estação Praça da Bandeira, no sentido Deodoro, e na estação São Cristóvão, no sentido Central do Brasil. Os passageiros que precisarem desembarcar nessas estações podem fazer transferência na estação Maracanã.

A concessionária de trens afirmou que instaurou uma sindicância que terá 30 dias para apurar as causas do acidente. A concessionária informou também que dois trens envolvidos no acidente contavam com o que chamou de ATP (Automatic Train Protection), equipamento que reforça o sistema de sinalização dos trens e da via.

No Twitter oficial, a SuperVia disse lamentar o acidente. "Lamentamos profundamente e estamos prestando todo o suporte para resolução o mais rápido possível", postou a empresa.

A Agetransp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários e Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro) informou que abriu um boletim de ocorrência para investigar as circunstâncias do acidente.

"Equipes técnicas foram enviadas à estação. Além das causas da colisão, também serão objeto de análise pela agência reguladora a adequação do atendimento prestado aos usuários pela concessionária SuperVia e dos procedimentos adotados para o restabelecimento da normalidade na operação comercial dos trens. A concessionária poderá ser multada", informou a entidade, através de nota.

Cotidiano