Topo

É um alívio, diz mãe que reencontrou filho de 10 meses raptado por pai

Bruna Alves

Colaboração para o UOL, em São Paulo

03/05/2019 13h17

O Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas (Decade) de São Paulo prendeu o homem que havia levado o seu filho embora, um bebê de 10 meses, sem a permissão da mãe, que mora em Santa Maria de Jetibá (ES).

A mãe do menino, Patrícia Paula, 28, registrou um boletim de ocorrência no último dia 18, na delegacia da cidade, após seu ex-marido Rodrigo de Carvalho Pinho, 38, visitar o filho e sair com ele para um passeio. O homem não retornou com a criança para a casa.

Após alegar sofrer inúmeras agressões físicas e verbais, ela havia conseguido na justiça uma medida protetiva contra o ex-marido. Por isso, Pinho já estava sendo procurado pela polícia civil do Espírito Santo, mas não se conformava em ficar longe do filho, o que teria motivado o rapto, de acordo com Patrícia.

Polícia Civil de SP
Imagem: Polícia Civil de SP
Em entrevista ao UOL, a delegada do Decade de São Paulo, Ivalda Oliveira Aleixo, apresentou conversas pelo WhatsApp - nos quais Pinho ameaçava a ex-mulher. "E torno a repetir aqui, se tentarem se aproximar para separar eu e meu filho, você nunca mais verá ele, pois se for para mim e Ravi se separar, que a gente morra juntos e partimos [para] outro lado de uma vez por todas", disse Rodrigo.

A criança foi encontrada com o pai na última terça-feira (30) em uma casa, no Jardim Santo André, zona leste da capital paulista.

"Foram os piores dias da minha vida quando ele foi levado de mim", diz a mãe.

O resgate da criança

Segundo a delegada do Decade, Pinho já estava sendo procurado pela justiça do Espírito Santo acusado de agredir a ex-mulher, e a polícia de São Paulo já havia sido informada que ele poderia estar na capital paulista, onde mora sua mãe e irmã.

Ivalda explica que foi possível localizá-lo, após muitas conversas com a família. "A avó paterna estava com medo de levar a polícia até o local porque ele [Pinho] ameaçou que se mataria e mataria a criança. Ele é muito agressivo e nervoso". Ela ressalta ainda, que, a mãe do suspeito relatou à polícia que apanhou diversas vezes do filho, que é muito violento.

Após insistência da polícia, a mãe aceitou levá-los até a casa onde o filho estava escondido com o neto, na última terça-feira (30).

"Era um quartinho no fundo de uma casa, com um banheiro bem sujo, tinha uma pia com condições de higiene péssimas, na geladeira tinha comida estragada. Ele ficava com a criança no chão em um colchão, porque não tinha nada e a criança só chorava", conta. A delegada conta que, inicialmente, Pinho não queria se entregar, mas acabou entregando o menino e depois se rendeu. Desde então, ele segue detido.

"Teve um desfecho feliz e nós tiramos a criança de lá". Segundo a polícia, o menino não apresentava nenhum sinal de maus-tratos. O bebê, então, permaneceu aos cuidados Conselho Tutelar, aguardando a chegada da mãe.

O reencontro entre mãe e filho

Patrícia foi avisada que seu filho, Ravi Pyetro de Carvalho Pinho, havia sido encontrado pela polícia civil de São Paulo e, imediatamente, se preparou para buscá-lo no dia seguinte, acompanhada de uma policial de Vitória (ES). O reencontro aconteceu na manhã de quarta-feira (1).

Eu contei os minutos para chegar logo lá para pegar meu filho. Na hora que peguei ele no colo, me senti a pessoa mais feliz do mundo, muito realizada, eu vi que ele estava bem, o pai apesar de tudo, tinha cuidado bem dele
Patrícia Paula, falando sobre o reencontro com o filho

Segundo a mãe, o bebê está bem e muito sorridente com a família.

"É um sentimento de alívio, agora ele está brincando muito e não desgruda de mim. Ele está meio traumatizado ainda, porque acha que talvez eu possa sumir", diz.

O bebê estava sem documento, porque o pai havia pego, por isso, foi preciso uma autorização judicial para que mãe e filho pudessem voltar para casa de avião.

Patrícia conta que foi ao encontro de um juiz para que ele desse autorização para ela poder pegar o filho - que estava em um abrigo, aos cuidados do Conselho Tutelar. "De lá eu vim direto para o aeroporto e vim para casa".

Relacionamento tumultuado

Mensagem enviada por Rodrigo Pinho para ameaçar ex-mulher - Divulgação/Polícia Civil de SP
Mensagem enviada por Rodrigo Pinho para ameaçar ex-mulher
Imagem: Divulgação/Polícia Civil de SP
Patrícia e Pinho foram casados por dois anos. Foi um relacionamento marcado por agressões físicas e verbais. "Dentro desses dois anos foram feitos seis boletins de ocorrência contra ele. Os três primeiros foram feitos durante a minha gestação por agressão física e verbal, e depois que o menino nasceu por ameaça de morte e que ele ia sumir com o menino no mundo", revela.

De acordo com Patrícia, Pinho queria que ela retirasse a queixa e reatasse o relacionamento, mas ela não aceitou, devido à muitas traições por parte do então companheiro.

No entanto, ela conta que o ex-marido permaneceu morando na mesma casa, porque queria ficar perto do filho. "Mas a gente não vivia junto, como marido e mulher". Porém, após a medida protetiva que saiu há pouco mais de um mês, Pinho saiu de casa e ia apenas visitar o filho. Após a separação, segundo Patrícia, ele não aceitou ficar longe do menino, por isso, começou a ameaçar a ex-mulher.

Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, "o indiciado permanecerá preso, por descumprimento de medida protetiva, em processo de violência doméstica".

Mais Cotidiano