Topo

Número de homicídios cai 23% no Brasil no primeiro bimestre, diz governo

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

2019-06-12T10:26:15

12/06/2019 10h26

O Ministério da Justiça informou hoje que houve queda nas ocorrências de crimes em janeiro e fevereiro deste ano na comparação com o mesmo período de 2018. Os casos de homicídio caíram 23% no primeiro bimestre. Os números de estupro também apresentaram redução de 7% no período.

Os dados foram divulgados hoje pelo ministério, que fez um levantamento de nove tipos de crimes com base no Sinesp (Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e de Rastreabilidade de Armas e Munições, e sobre Material Genético, Digitais e Armas).

As informações são compiladas com base em boletins de ocorrência dos estados e do Distrito Federal.

Na semana passada, foram divulgados dados sobre homicídios referentes ao ano de 2017. Segundo o Atlas da Violência, houve uma alta de 4,2% em relação a 2016.

Roubos caem

As maiores quedas registradas pelo Ministério da Justiça foram referentes a roubos: carga (40,6%), instituição financeira (36,7%) e veículos (28,3%).

Variação entre janeiro e fevereiro de 2018 e 2019:

  1. Roubo de carga: queda de 40,6%
  2. Roubo a instituição financeira: queda de 36,7%
  3. Roubo de veículo: queda de 28,3%
  4. Homicídios dolosos: queda de 23%
  5. Latrocínio: queda de 19%
  6. Tentativa de homicídio: queda de 15,1%
  7. Furto de veículo: queda de 10,9%
  8. Estupro: queda de 7%
  9. Lesão corporal seguida de morte: queda de 6%

Em nota, o ministro da Justiça, Sergio Moro, disse que "o mérito pelo resultado é da atuação integrada entre governo federal e governos locais". Segundo ele, é preciso trabalhar para que a redução seja permanente e constante.

"Mesmo com a redução, os números ainda são altos, precisamos trabalhar muito mais", comentou.

O comunicado também menciona o pacote Anticrime, de Moro, que, segundo a pasta, "contribuirá para a redução nos crimes violentos, além de combater a corrupção e o crime organizado". O ministro diz respeitar a prioridade do Congresso para a reforma da Previdência neste momento.

Brasil registrou recorde de homicídios em 2017

redetv

Mais Cotidiano