Topo

PF prende 20 em operação contra núcleo do PCC que movimentou R$ 1 mi/mês

Luciana Quierati

Do UOL, em São Paulo

06/08/2019 08h05Atualizada em 06/08/2019 11h09

A Polícia Federal prendeu 20 pessoas na manhã de hoje na Operação Cravada que tenta desarticular um núcleo financeiro da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). São cumpridos 30 mandados de prisão, sendo que 18 pessoas já foram presas nesta manhã. Oito já estavam detidas em presídios e quatro seguem foragidas. Além disso, outros dois suspeitos foram presos em flagrante durante a operação, mas não estavam na relação das pessoas com mandado.

Esse núcleo, segundo as investigações, é responsável por recolher e gerenciar contribuições para o PCC em nível nacional, algo em torno de R$ 1 milhão por mês. Os pagamentos - também chamados de "rifas" - seriam repassados à organização por meio de contas bancárias e de maneira intercalada, com uso de medidas, segundo a PF, que dificultavam o rastreamento.

Segundo a PF, os valores eram arrecadados junto a membros da organização, cobrados mensalmente ou a cada dois meses, dependendo do estado, e chegavam aos principais líderes, que administravam o dinheiro - como se fosse um esquema de pirâmide, com praticamente nenhuma retribuição a quem está na base, ou seja, quem 'contribui'.

[Os integrantes] ou pagam, ou são excluídos ou são espancados delegado Martin Bottaro Purper, coordenador da operação

Mais de 400 contas bancárias suspeitas em todo o país foram identificadas e bloqueadas, disse a PF em nota. Os valores que transitavam entre as contas seriam utilizados para comprar armas e drogas e providenciar transporte e estadia de integrantes e familiares de membros da facção em locais próximos a presídios.

Dos 30 mandados de prisão, oito são contra membros da organização que já estão presos, sendo quatro no Paraná, três em São Paulo e um no Mato Grosso do Sul. Há outros 55 mandados de busca e apreensão.

Cerca de 180 policiais estão nas ruas para cumprir os mandados em:

  • Paraná: Curitiba, São José dos Pinhais, Paranaguá, Centenário do Sul, Arapongas, Londrina, Umuarama, Pérola, Tapejara, Cascavel e Guarapuava;
  • São Paulo: Praia Grande, Itapeva, Osasco, Itaquaquecetuba, Hortolândia, Valparaíso e São Paulo;
  • Minas Gerais: Uberlândia;
  • Acre: Rio Branco;
  • Roraima: Boa Vista;
  • Pernambuco: Caruaru;
  • Mato Grosso do Sul: Dourados.

Os mandados foram expedidos pela Vara Criminal de Piraquara (PR), município onde fica a penitenciária que abrigaria o referido núcleo financeiro do PCC, conforme apontaram as investigações, iniciadas em fevereiro.

Bilhetes apreendidos hoje e que seriam levados para dentro de prisões, servindo de comunicação entre quem estava fora e dentro das unidades - Divulgação/PF
Bilhetes apreendidos hoje e que seriam levados para dentro de prisões, servindo de comunicação entre quem estava fora e dentro das unidades
Imagem: Divulgação/PF

Os investigados deverão responder, entre outros crimes, por tráfico de drogas, associação para o tráfico e organização criminosa.

A PF explica que o nome da operação, Cravada, faz referência a uma jogada de xadrez em que uma peça, quando ameaçada de captura pela peça adversária, fica impossibilitada de se mover, em razão de haver uma peça de maior valor em risco.

A operação tem o apoio do Ministério Público do Estado do Paraná, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime) de São Paulo, o Departamento Penitenciário Federal, a Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo e a Polícia Militar de São Paulo.

Mais Cotidiano