Topo

Prédio registrou início de obra de reforma um dia antes de desabamento

Veja como foi o desabamento do prédio em Fortaleza

UOL Notícias

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

15/10/2019 16h07Atualizada em 16/10/2019 23h46

Resumo da notícia

  • Registro de obra deu entrada ontem no Crea-CE
  • Obra e desabamento vão ser investigados
  • Uma pessoa morreu e nove foram resgatadas

O Crea (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) do Ceará informou hoje que o prédio que desabou nesta manhã em Fortaleza deu entrada com um registro de obra ontem —ou seja, um dia antes do acidente.

"Temos o registro de manutenção recente feito pelo profissional de um documento de ART [Anotação de Responsabilidade Técnica], dado entrada ontem, de início de uma reforma na construção. O prédio poderia ter uma chance com obras acontecendo", afirma o presidente Emanuel Motta.

"Na ART o profissional se autodeclara responsável, ele puxa para si a responsabilidade por essa recuperação da construção. Ele não dá maiores detalhes, se começou, se não começou. Isso não temos como dimensionar. Não temos como dizer se tem projeto, porque não tem registro disso, só da obra", explicou.

Motta garante que o problema não ocorreu por falta de fiscalização, e que o prédio está registrado. "Em agosto fiscalizamos os 184 municípios do Ceará, e 70% dos serviços estavam sendo feito por leigos. Nesse caso, não. Se a fiscalização passasse lá teria visto o serviço por um profissional", afirmou.

O Crea agora vai apurar como estava a obra. "Uma comissão vai ser criada para investigar o caso e encaminhar para os órgãos para que sejam feitos os procedimentos adequados", finalizou.

No acidente, nove foram resgatadas com vida. Outros nove podem estar sob os escombros.

O engenheiro responsável pela obra —que não teve o nome informado— será convocado agora para prestar esclarecimento pelo conselho. O Crea afirma que não havia qualquer infração ética contra a conduta do profissional que registrou a reforma. Ao fim da apuração, se comprovada qualquer irregularidade, o profissional pode ser até proibido de exercer a profissão.

O presidente do Crea disse que o engenheiro não trouxe detalhes sobre o tipo de obra que estaria sendo executada. "A ART nesse caso só tem dois dados: recuperação de construções e pintura. Quando profissional faz o registro, ele autodeclara e assume tudo: a responsabilidade criminal, civil e técnica. E quando faz um registro de forma genérica, a responsabilidade é muito mais ampla. Se fosse especificado, ele responderia pelo que detalhou."

Cotidiano