PUBLICIDADE
Topo

Criança filmada sendo supostamente espancada por avô em AL está com avó

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

14/01/2020 12h46

O menino de seis anos que foi filmado supostamente sendo espancado pelo avô paterno, o advogado Erisvaldo Tenório Cavalcante, 62, em um condomínio de luxo no bairro Antares, na parte alta de Maceió, foi ouvido ontem por equipe da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Criança. O caso aconteceu na noite da quinta-feira (9). O avô foi preso e flagrante e libertado após pagar R$ 5.000 de fiança. Ele vai responder pelo crime em liberdade e não pode se aproximar do neto.

Na tarde de ontem, o Conselho Tutelar levou a criança à delegacia para ela ser ouvida pela polícia. O conteúdo do depoimento não foi divulgado por se tratar de um caso que envolve menor de 18 anos em cumprimento ao ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Após ser ouvido pela polícia, o menino viajou com a avó materna para o município de Quebrangulo, onde ela mora. A avó materna está com a guarda provisória do garoto até que a Justiça decida com quem ele deverá ficar definitivamente.

Segundo o Conselho Tutelar, o menino foi abandonado pelos pais, aos dois anos, e desde então, o avô Erisvaldo Tenório Cavalcante tinha um termo de responsabilidade para cuidar da criança.

Vizinhos ligaram para a polícia

O advogado foi preso em flagrante após vizinhos acionarem a polícia. Moradores do condomínio vizinho filmarem as supostas agressões vistas pela varanda do apartamento em que ele morava com o neto. Nas imagens, adultos e crianças pedem para o homem parar de bater na criança e ele não dá ouvidos. Vizinhos também filmaram o momento em que ele saiu detido pela polícia andando pelo condomínio. Moradores o vaiaram e o chamaram de "covarde".

Cavalcante foi conduzido para a Central de Flagrantes 1, no bairro do Farol, onde foi lavrada a prisão em flagrante pelos crimes de lesão corporal dolosa (com intenção de fazer) e violência doméstica. Ele vai responder pelo crime em liberdade e foi determinada uma medida protetiva para que ele não se aproxime ou mantenha contato com o neto.

O caso aconteceu por volta das 20h45 de quinta-feira. Após ser detido pela Polícia Militar, o avô ainda passou cerca de duas horas preso na carceragem da Central de Flagrantes 1 até a chegada do advogado dele, Antônio Pimentel.

Após prestar depoimento e pagar fiança de R$ 5.000, ele foi solto, por volta das 0h45 de sexta-feira (10), e vai responder em liberdade. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Crimes Contra a Criança.

Criança já teria sofrido agressões

Vizinhos relataram ao UOL que esta não é a primeira vez que o menino é supostamente surrado pelo avô e que "a criança ficava sozinha em casa em muitas ocasiões". Uma vizinha afirmou que já havia ouvido o garoto apanhar outras vezes, mas que ontem tiveram coragem de filmar e acionar a polícia. Eles também afirmaram que o menino fica sozinho no apartamento, sem alimento e que sai pedindo comida a moradores de outros apartamentos.

O UOL tentou contato com Cavalcante, na manhã de hoje, mas não conseguiu. A reportagem telefonou para o condomínio em que ele mora e atua como advogado, mas foi informada que ninguém iria se posicionar sobre o assunto.

No dia em que Cavalcante foi preso, o advogado dele disse "as imagens não condizem com a realidade". A defesa do advogado negou que já tenham ocorrido outras agressões do avô contra a criança, como fora relatado pelos vizinhos do prédio, que moram em outro condomínio.

Segundo o advogado, Cavalcante foi vítima de armação de moradores do condomínio que seriam inadimplentes e que não gostariam dele por ser ser advogado do residencial. Entretanto, as imagens foram feitas do condomínio vizinho, que não tem relação com advogado.

Cotidiano