PUBLICIDADE
Topo

Advogado vê 'coleção de estranhezas' em morte de Adriano e pede perícia

Adriano Nóbrega foi morto na Bahia em ação policial do último dia 9 - Reprodução
Adriano Nóbrega foi morto na Bahia em ação policial do último dia 9 Imagem: Reprodução

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

18/02/2020 13h02Atualizada em 18/02/2020 14h02

Resumo da notícia

  • Família decidiu pedir à Justiça perícia independe no corpo do ex-policial
  • Para advogado, há uma série de dúvidas sobre morte que merecem esclarecimento
  • Acusado de chefiar milícia no Rio foi morto no dia 9 em operação policial na Bahia
  • Bolsonaro, cujo filho Flavio tinha ligações com ex-PM, também defendeu perícia fora da polícia

A família do ex-capitão da PM Adriano da Nóbrega, acusado de chefiar uma milícia no Rio de Janeiro e morto no último dia 9 numa operação policial na Bahia, decidiu pedir à Justiça a realização de uma perícia independe no corpo do ex-policial.

"Há uma série de dúvidas que merecem, no mínimo, profundo esclarecimento", afirma o advogado Paulo Emilio Catta Preta, que atuou na defesa de Adriano em processos no Rio e hoje representa a família do ex-capitão.

De acordo com a polícia baiana, Adriano teria recebido os agentes a tiros e foi morto em confronto durante a operação que tentou prendê-lo em uma propriedade rural no município de Esplanada, no interior da Bahia.

Segundo Catta Preta, entre os pontos sobre os quais há dúvidas em relação às circunstâncias da morte estão:

  • Marca de um corte na cabeça, sugerindo a possibilidade de o ex-PM ter recebido uma coronhada
  • A distância a que foram realizados os disparos que atingiram Adriano
  • A trajetória e a quantidade dos projéteis que atingiram o ex-policial
  • O fato de o laudo oficial ter atestado que o ex-PM estava com sete costelas quebradas
  • Uma cicatriz no tórax que não aparenta ter sido resultado de disparos de arma de fogo

"Acho que é uma coleção de estranhezas", diz o advogado. "Me parece que esses elementos trabalham de forma a encorpar nossas dúvidas"

O defensor disse que ainda não conseguiu ter acesso à investigação e por isso não examinou as perícias oficiais já disponíveis, tendo tido informações sobre o caso pelo que foi divulgado na imprensa. Catta Preta conversou sobre o caso com jornalistas na manhã de hoje, em seu escritório em Brasília.

Reportagem da revista Veja apontou a existência de sinais de que os tiros que atingiram Adriano tenham sido disparados a curta distância, o que, em tese, pode levantar suspeitas de que a morte do ex-capitão teria sido intencional.

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) afirmou que as hipóteses levantadas pela reportagem são "acusações infundadas" e rejeitou que Adriano tenha sido alvejado a curta distância.

Catta Preta afirma que um primeiro pedido para que fosse feita uma perícia independente não chegou a ser analisado pela Justiça do Rio, sob o argumento de que a requisição deveria ser feita ao Judiciário baiano. O defensor disse então ter reapresentado o pedido à Justiça da Bahia no último fim de semana, durante o plantão judiciário. O pedido ainda não foi analisado.

Caso seja deferido, caberia à família do ex-PM indicar os técnicos que iriam periciar o corpo. A defesa de Adriano também pediu autorização para que peritos indicados por ela possam analisar a cena da morte do ex-capitão.

Hoje, mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro também defendeu a realização de uma perícia independente no corpo do ex-policial.

Adriano era ex-capitão do Bope e estava foragido havia cerca de um ano após operação do Ministério Público do Rio de Janeiro para prender integrantes da milícia de Rio das Pedras. O ex-PM possuía ligações com o senador Flávio Bolsonaro (sem partido), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Flávio chegou a empregar a ex-mulher e a mãe de Adriano em seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

O senador afirma não possuir qualquer ligação com a milícia e afirmou desconhecer as suspeitas contra Adriano.

O advogado Paulo Catta Preta afirma não haver provas do envolvimento de Adriano com a milícia.

Bolsonaro e Rui Costa discutem por morte de miliciano

Band Notí­cias

Cotidiano