PUBLICIDADE
Topo

Jovem é esfaqueado em sala de aula em Americana (SP); agressor foi preso

Facas foram apreendidas pela polícia - Divulgação/Polícia Militar
Facas foram apreendidas pela polícia Imagem: Divulgação/Polícia Militar

Felipe de Souza

Colaboração para o UOL, em São Paulo

20/02/2020 13h15

A divulgação de um vídeo íntimo nas redes sociais pode ter motivado um homem a esfaquear outro dentro de uma sala de aula de uma escola de Americana (SP), a 150 km de São Paulo, na noite de ontem.

O caso aconteceu na Escola Estadual Heitor Penteado, na região central da cidade. Durante uma aula de física para a turma do 2º ano de Educação de Jovens e Adultos (EJA), G. M. F., de 18 anos, teria se levantado para trocar de lugar quando teria sido atingido nas costas com uma facada. O agressor seria um companheiro de classe, C. A. O., de 35 anos.

"O professor contou que estava tudo tranquilo na sala de aula, quando viu o aluno se levantando. Na sequência, ele gritou de dor e saiu correndo. O docente foi atrás, enquanto os colegas de sala seguraram o agressor", relata Haroldo Ramos Teixeira, diretor regional de ensino de Americana, que ouviu o professor aproximadamente uma hora depois da ocorrência.

A Polícia Militar foi acionada, e encontrou C. ainda dentro da escola. Duas facas foram apreendidas pela PM. No boletim de ocorrência, o homem diz que agrediu G. depois da publicação de um vídeo íntimo dele, supostamente postado pelo colega de classe, e de outra publicação em que G. teria feito comentários homofóbicos sobre ele.

O rapaz agredido foi levado ao Hospital Waldemar Tebaldi, em Americana, e deve receber alta até amanhã. A facada foi próxima à região do coração, mas não atingiu nenhum órgão.

A defesa do agressor não foi localizada pelo UOL para comentar o caso. Segundo a Polícia Civil, uma audiência de custódia que vai definir se ele cumpre a pena por tentativa de homicídio simples em liberdade está agendada para os próximos dias.

"Após a definição da situação dele com a Justiça, o Conselho de Escola vai se reunir para avaliar qual o futuro dele na instituição de ensino", completa Teixeira. O suspeito entrou na escola este ano. O jovem agredido estuda na unidade há dois anos, e nunca houve nenhuma reclamação contra ele.

As aulas ontem à noite foram suspensas por causa da confusão. Nenhum outro aluno ou professor ficou ferido. As atividades serão retomadas hoje, normalmente. "Foi a primeira vez que isso aconteceu na escola. Assustou a todos, especialmente pela forma como tudo aconteceu", afirma Teixeira.

Cotidiano