PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Tráfico impõe toque de recolher em favelas do Rio em meio a crise do corona

Na Cidade de Deus, criminosos ordenam toque de recolher com alto-falantes - Folha Imagem
Na Cidade de Deus, criminosos ordenam toque de recolher com alto-falantes Imagem: Folha Imagem

Caio Blois

Do UOL, no Rio

24/03/2020 16h14

Traficantes de diferentes facções ordenaram toques de recolher após a confirmação de casos de coronavírus em favelas do Rio de Janeiro. Com alto-falantes (em carros e postes) e batendo às portas das casas, criminosos avisam aos moradores que eles estão proibidos de circular nas ruas após as 20h —em caso de desrespeito, ameaçam os criminosos, podem ser punidos com violência.

Na Cidade de Deus, comunidade da zona oeste carioca, onde foi confirmado o primeiro caso de covid-19 em favelas do Rio, traficantes caminhavam anunciando "corretivo" para quem desrespeitasse as ordens, conforme informação publicada pelo jornal Extra e confirmada pelo UOL.

Cerca de 40 mil pessoas moram na Cidade de Deus —complexo formado originalmente por conjuntos habitacionais—, de acordo com dados do IPP (Instituto Pereira Passos), órgão da Prefeitura do Rio responsável pelo planejamento urbano da cidade. Por lá, foram registrados ao menos 19 casos suspeitos de coronavírus —o número pode ser maior, uma vez que médicos da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) denunciaram ao UOL subnotificação de casos suspeitos.

"Quem estiver na rua vai receber corretivo e ficar de exemplo", dizia a gravação. As localidades conhecidas como AP, 15, 13, Karatê e Barro Vermelho já registram pouca movimentação de moradores nesta terça (24).

A comunidade, controlada pelo CV (Comando Vermelho), não é a única com restrições para a circulação de moradores. Outras favelas como a do Jacarezinho (zona norte), habitada por mais de 35 mil pessoas, Jacaré e Santo Amaro (no Catete, zona sul da cidade), da mesma facção, também possuem toque de recolher no mesmo horário por conta do coronavírus.

O toque de recolher costuma ser adotado em casos de mortes de lideranças do tráfico local. Mas, desta vez, a medida é para tentar isolar as favelas --espaços com graves problemas de moradia e saneamento básico-- da pandemia do coronavírus. Até agora, são 61 casos suspeitos de covid-19 em comunidades, com uma confirmação.

Apesar de serem dominadas pelo TCP (Terceiro Comando Puro), comunidades como São Carlos (10 mil habitantes) e Macacos (20 mil habitantes) estão sendo obrigadas a seguir ordens semelhantes: o toque de recolher é às 20h e inclui o fechamento do comércio, exceto farmácias.

Os avisos foram feitos de porta em porta, no "boca a boca". Por lá, até a circulação de mototáxis e kombis está restrita a partir das 21h. A ameaça é "apanhar de madeira".

Com o impacto negativo do coronavírus nas vendas de drogas, morros como Jacaré e São Carlos modificaram locais dos pontos de venda, as "bocas de fumo". Pontos fora das comunidades, as "esticas", foram reforçados pelos traficantes.

Outras comunidades menores dominadas pelo tráfico de drogas tanto na zona norte como na oeste também sofrem com toques de recolher e ameaças. Não se sabe ainda se as ações são determinações da alta cúpula das duas facções.

Na Baixada Fluminense, localidades controladas pelo tráfico como Imbariê e Vila Sarapuí tinham barricadas para impedir a circulação de veículos, conforme mostrou reportagem do UOL.

Procurada pela reportagem, a Polícia Militar respondeu em nota enviada pela assessoria de comunicação:

"Nos mantemos atentos às movimentações nas comunidades durante esta quarentena e seguimos trabalhando pela manutenção da sensação de segurança da população. Questões relativas a essas supostas determinações criminosas são objeto para procedimento investigativo", afirmava o texto.

Já a Polícia Civil afirmou, via assessoria de imprensa, apenas que "monitora as informações com ações de inteligência".

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado anteriormente, a comunidade do Jacaré é dominada pelo CV, e não pelo TCP.

Coronavírus